Acompanhe:

Por Stevin Zung*

Você já se imaginou mais velho? As imagens que aparecem são positivas ou negativas?

Parte dessa percepção decorre de suas experiências – ou de pessoas próximas e familiares – com o envelhecimento, mas muito deriva também das imagens que lhe são mostradas pelos meios midiáticos. Estas, por sua vez, decorrem do papel que a pessoa idosa representa e de como a sociedade na qual ela vive a percebe.

Secularmente as sociedades orientais, mais coletivistas, percebem os mais velhos como mais experientes e sábios, não só no aspecto meramente intelectual, mas também no de conhecimento e experiência da vida. Com isso, a percepção do envelhecimento tende a ser mais positiva, embora relatos mais recentes mostram um viés mais negativo com o advento das mídias sociais e o maior envelhecimento demográfico populacional a nível global.

Já as sociedades ocidentais, mais individualistas e que costumam categorizar a produtividade como sinônimo de saúde e qualidade de vida de uma pessoa, sempre apresentaram uma visão mais negativa da pessoa mais velha. 

Mas será que essas associações e imagens são verdadeiras ou são apenas mitos que acabamos tomando por fatos e que condicionam nossa forma de pensar sobre o envelhecimento?

De onde vem a imagem negativa do envelhecimento?

Se você avaliar várias pessoas idosas, provavelmente desconstruirá um dos grandes mitos: o de que todo idoso é igual. A partir dessa conclusão, terá a capacidade de avaliar que cada pessoa envelhece de uma forma diferente, porque a percepção de envelhecimento e as oportunidades de educação, saúde e trabalho são únicas e permitem que algumas tenham um envelhecimento mais saudável e ativo do que outras.

O processo de percepção do envelhecimento inicia-se com a incorporação de imagens que nos são apresentadas ainda na infância. Muitas dessas referências apresentam-se em filmes, séries e em contos de fadas, em que geralmente a pessoa idosa é representada com características negativas: ranzinza, invejoso e mau. Vale dizer que essa imagem do idoso vem sendo modificada e modernizada nos últimos tempos, mas ainda há um longo caminho para que essa desmistificação seja feita por completo. 

Impacto social e necessidade de desmistificação 

Diversos estudos interessantes mostram a relação entre percepção negativa do envelhecimento, discriminação e doenças. Em um deles, iniciado em 1968, 386 indivíduos com idade entre 18 e 49 anos foram selecionados para fazer parte de um estudo longitudinal, sendo avaliados por 38 anos com o objetivo de verificar se havia correlação entre estereótipos negativos e eventos cardiovasculares futuros. 

Os indivíduos jovens que tinham mais estereótipos negativos do envelhecimento apresentaram, tanto um maior número de eventos cardiovasculares, bem como os apresentaram em uma idade mais precoce do que aqueles que tinham menos estereótipos negativos. Ou seja, este estudo mostrou que a projeção negativa sobre envelhecer esteve diretamente relacionada ao surgimento de doenças cardiovasculares. 

É importante combater a ideia de que envelhecer é ruim. Ainda que os idosos tenham que fazer uma grande adaptação e redobrar os cuidados com a saúde, visualizar e investir em um envelhecimento saudável é também ir contra essa sentença. 

Essa desmistificação é necessária e deve englobar diferentes esferas: meios de comunicação, produções audiovisuais, centros culturais, debates de inclusão, discurso em ambientes médicos... Começando com o olhar e cuidado das interações intergeracionais em nossas famílias. É a sociedade como um todo trabalhando para que cada vez mais o envelhecimento seja encarado como mais uma fase da vida, tão importante como as outras.

*Stevin Zung é médico psiquiatra e diretor médico do Aché Laboratórios Farmacêuticos

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Gente & Gestão: você trata seu fornecedor como trata seu cliente? 

Cristiano Zanetta: plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro

Como sair da síndrome do “FOMO” para o “JOMO“

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Uso do metaverso no setor de saúde deve movimentar R$ 2,5 trilhões até 2033
Future of Money

Uso do metaverso no setor de saúde deve movimentar R$ 2,5 trilhões até 2033

Há uma semana

Ele quer imprimir o primeiro coração humano artificial em 10 anos
Um conteúdo Bússola

Ele quer imprimir o primeiro coração humano artificial em 10 anos

Há uma semana

IA e o que mais? Veja 10 tendências para o setor de saúde em 2024
Um conteúdo Bússola

IA e o que mais? Veja 10 tendências para o setor de saúde em 2024

Há um mês

Franquias estão de olho no crescente mercado sênior
seloNegócios

Franquias estão de olho no crescente mercado sênior

Há 2 meses

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais