Que tal tomar uma cerveja livre de plástico?

Corona anuncia neutralidade e dá um importante passo rumo a um mundo menos poluído

Por Renato Krausz*

O negócio obviamente não está no líquido que a gente manda goela abaixo. Mas, se você bateu o olho neste título e ficou pensando que raios de plástico é este que vem na sua cerveja, agora pelo menos leia até o final.

A Corona anunciou na última terça, 8, que se tornou a primeira marca global de bebidas com pegada neutra de plástico, ou seja, ela retira mais resíduos plásticos do que coloca no mundo.

A conquista foi aferida por duas organizações internacionais. E vale não apenas para os produtos da marca e suas embalagens, como também para as operações de logística e distribuição.

Até o final do ano, todas as exportações da cerveja não terão mais os anéis de plásticos usados para manter as latinhas juntas – estas ainda não são vendidas no Brasil. A empresa afirma já ter uma alternativa feita à base de plantas. E, para as garrafas, a Corona lançou em março um pack feito de palha de cevada, cuja fabricação utiliza 90% menos água que os modelos anteriores. Ele já está disponível na Colômbia e na Argentina.

Os esforços da marca incluem o lançamento de um desafio para encontrar em todos os cantos do planeta empreendedores capazes de propor novas ideias e tecnologias que ajudem a diminuir ou eliminar o plástico na cadeia de suprimentos. E ainda uma enorme usina de reciclagem no México, além de mutirões de limpeza em praias de diversos países, incluindo o Brasil, onde também foram instaladas estações de coleta e reciclagem de plástico em Fernando de Noronha e Trancoso.

Em quase toda roda de conversa sobre ESG atualmente, fala-se em neutralidade de carbono, o que sem dúvida é importante paca. Mas o net zero em plástico não pode ser ignorado. No início do ano, escrevi neste espaço sobre a quantidade mastodôntica do produto que deságua anualmente no mar: 8 milhões de toneladas, das quais 325 mil são brasileiras.

O cenário é dramático. Um estudo da Fundação Ellen MacArthur e da McKinsey apresentado no Fórum Econômico Mundial de 2016 mostrou que os oceanos terão mais garrafas pet e outros detritos plásticos do que peixes em 2050.

Diante disso, iniciativas como a da Corona são muito importantes e deveriam ser seguidas pelo maior número possível de organizações. E, como hoje já é quase sexta-feira, merecem um brinde com uma cerveja bem gelada. A minha pode ser com um gomo de limão, por favor.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter | Facebook | Youtube

Veja também

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.