Um conteúdo Bússola

Projeto sofá torna ONGs, instituições e espaços sociais lugares aconchegantes

John Richard e Tuim revitalizam itens que chegaram ao final do ciclo comercial e doam para ressignificar espaços sociais
Iniciativa já atendeu 7 instituições sociais (Wicker Paradise/Flickr)
Iniciativa já atendeu 7 instituições sociais (Wicker Paradise/Flickr)
B
BússolaPublicado em 31/08/2022 às 12:30.

Por Bússola 

A mobília pode perder sua função original, mas ganha nova vida no Projeto Sofá. A iniciativa de responsabilidade socioambiental visa doar mobiliários em ótimo estado para ONGs, instituições ou espaços sociais, para que recebam novos usos. Um time capacitado de profissionais do grupo faz desde a avaliação do móvel até pintura, troca de estofado e marcenaria, entre outros reparos necessários. Após a revitalização, os itens ganham um novo destino, proporcionando assim conforto para as camadas mais vulneráveis  da sociedade.

A iniciativa, idealizada pelo Grupo John Richard – detentor das marcas John Richard, empresa de assinatura de móveis para escritórios e residências do Brasil, e Tuim, empresa de móveis residenciais por assinatura –, já atendeu 7 instituições sociais e impactou mais de 470 pessoas. Ao todo são 113 móveis que ganharam um novo propósito por meio do projeto, em espaços e parcerias como a Decor Social, Recomeçar, Saica Estrelas do Bom Jesus e outras associações. 

“A transformação dos espaços em experiências únicas e o mobiliar com alma sempre fizeram parte do nosso DNA. Nosso propósito é transformar casas, espaços, convívio e, sobretudo, vidas. Entendemos que o sofá é mais que um item que preenche a casa. Ele é capaz de transformar lares e espaços vazios em lugares aconchegantes, além de um ninho para quem precisa”, declara Pamela Paz, CEO das empresas. 

O tem três frentes de atuação: demandas pontuais em que recebe e avalia os pedidos das instituições como asilos, orfanatos ou creches; parceria com ONGs e instituições que promovem projetos assistenciais, tais como reformas em casas de famílias em vulnerabilidade social e, por último, a geração de valores. Nessa última frente, revende os móveis revitalizados e converte parte dos valores arrecadados em manutenção da causa ou em doações para instituições que necessitem de investimento. 

Os móveis devem chegar ao projeto como novos e, sobretudo, precisam impactar de fato vidas por meio da transformação do ambiente.  

Para entender melhor como o projeto funciona na prática, a cadeira que um dia fez parte de uma grande empresa, foi descartada quando a organização precisou colocar todos os seus trabalhadores em home office em função da pandemia. Em seguida, após breve passagem por um novo cliente, entrou para o Projeto Sofá e, logo foi direcionada para a Saica Estrelas do Bom Jesus, um centro de acolhimento de crianças e jovens em vulnerabilidade social. 

Outro espaço beneficiado pelo Sofá foi o Recomeçar, projeto que nasceu em 2015 e visa reintegrar homens e mulheres egressos de penitenciárias à sociedade. A parceria em uma unidade em São Paulo contou com mobiliário completo, além de eletroportáteis. Foram mobiliadas salas de aula e áreas administrativas, executivas, de acolhimento, recepção e cozinha. Os móveis corporativos doados eram todos ergonômicos e funcionais, o que proporciona maior conforto nos estudos e estimula um melhor desempenho dos egressos para reiniciar suas jornadas.  

“Um espaço adequado, digno e preservado influencia em diversos aspectos na vida dos moradores, incluindo no relacionamento interpessoal de crianças e jovens, fator importante no desenvolvimento. Além disso, acreditamos muito na inclusão social e na capacidade de cada indivíduo que, ao tornar-se protagonista da própria vida, pode trilhar um novo caminho. O projeto visa cada vez mais ressignificar espaços e vidas”, afirma Pamela. 

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube 

Veja também

Colégio Santa Cruz reserva vagas para crianças negras e indígenas 

Como escolher os indicadores ESG de sua empresa? 

Mulheres empreendedoras têm menos acesso a investimentos