Bússola
Um conteúdo Bússola

Por que o controle biológico vai mudar o agronegócio nos próximos anos

Soluções com biopesticidas são a nova fronteira tecnológica no manejo de pragas, e sua utilização vai crescer de maneira exponencial no mercado

Controle biológico é a nova fronteira tecnológica quando se trata do controle de pragas, é o que afirma o biólogo Lucas Von Zuben (Divulgação/Divulgação)

Controle biológico é a nova fronteira tecnológica quando se trata do controle de pragas, é o que afirma o biólogo Lucas Von Zuben (Divulgação/Divulgação)

B

Bússola

Publicado em 30 de janeiro de 2022 às 15h33.

Atualmente, o Brasil é líder mundial na utilização do controle biológico no campo. Somente em 2019, foram mais de 23 milhões de hectares que utilizaram a tecnologia, segundo informações da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). O órgão também revelou que o faturamento mundial com biopesticidas em 2018 foi de US$ 3,8 bilhões e estima-se que alcance a casa dos US$ 11 bilhões até 2025.

Para Lucas Von Zuben, biólogo e CEO da Decoy Smart Control, desenvolvedora de soluções biológicas para controle de pragas, o controle biológico representa o futuro para o agronegócio. “Nós vemos uma expansão muito acelerada na utilização desse tipo de tecnologia, com crescimentos expressivos ano a ano. Com isso, não é exagero afirmar que o controle biológico é a nova fronteira tecnológica quando se trata do controle de pragas”, afirma.

Para ele, o mercado vem avançando com base em dois vetores principais. O primeiro é o resultado, porque se tem o fim de um ciclo de utilização de químicos, com esgotamento desse tipo de solução, por conta da resistência que os insetos têm criado na utilização desses controles químicos, eles têm deixado de entregar os resultados esperados pelos produtores. O outro vetor vem de fora da fazenda, puxado pelo mercado consumidor, já que o consumo de alimentos orgânicos vem crescendo.

A utilização de biopesticidas em rebanhos se trata de uma solução inovadora e natural, com um sistema que não agride o meio ambiente. “A base tecnológica é um conceito tão simples, quanto sofisticado, que consiste na utilização de inimigos naturais para regular o número de plantas e animais. É um processo que já existe na natureza e que só tentamos copiar no laboratório”, diz Von Zuben.

Segundo ele ainda, existem três tipos naturais de controle biológico, que são os parasitóides, a predação e os patógenos (fungos e bactérias). A natureza é muito sábia e poderosa. Essa tecnologia aproveita dessa sabedoria e poder para resolver problemas que nos afetam e tem grande impacto no mercado.

O setor agro chega a perder R$ 10 bilhões anualmente em consequência dos males trazidos por pestes, como o carrapato, de acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube

Veja também

Acompanhe tudo sobre:AgronegócioConsumoSustentabilidade

Mais de Bússola

Claudia Elisa Soares: ESG vai bem, obrigado

Como Inter, super app financeiro, lucrou R$ 195 mi apostando em IA generativa

Quem é a arquiteta que participa pela 6ª vez da mostra CASACOR assinando galeria de arte

Bússola Cultural: inscrições abertas para o 3° Concurso de Crônicas sobre futebol de várzea

Mais na Exame