Bússola
Um conteúdo Bússola

Por que Atacadão, maior atacarejo do Brasil, viu chave do seu crescimento no estado da Bahia

CEO da subsidiária do Grupo Carrefour conta quais são as vantagens do investimento na região

Segundo o CEO Marco Oliveira, o principal atrativo está na acessibilidade que a região proporciona (Bússola/Reprodução)

Segundo o CEO Marco Oliveira, o principal atrativo está na acessibilidade que a região proporciona (Bússola/Reprodução)

Aquiles Rodrigues
Aquiles Rodrigues

Repórter Bússola

Publicado em 3 de maio de 2024 às 07h00.

Tudo sobreAtacadão
Saiba mais

O nome é autoexplicativo. O atacarejo é um modelo de negócio do setor supermercadista que une os preços baixos  e grandes quantidades do atacado com a experiência de compra do varejo

E ele tem caído cada vez mais no gosto popular. Segundo pesquisa recente da Horus Inteligência de Mercado, em 2023 a média do número de itens adquiridos por consumidores do atacarejo cresceu cerca de 69%

No mesmo ano, o modelo foi responsável por 47,3% da receita total do setor supermercadista – que alcançou R$ 695,7 bilhões – segundo a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS).

Neste crescimento orgânico, o Nordeste do país se destaca com o atacarejo ocupando mais de 60% da participação no setor, segundo a Associação Brasileira dos Atacarejos (ABRAAS). É neste detalhe que a rede atacadista Atacadão encontra o principal foco da sua estratégia de expansão: o estado da Bahia.

Por que a Bahia é uma região estratégica?

A subsidiária do Grupo Carrefour está no topo do ranking dos atacarejos brasileiros, possuindo um faturamento de R$ 79,1 bilhões em 2023, com um total de mais de 360 lojas.

Segundo o CEO da rede, Marco Oliveira, das 15 unidades abertas em todo o país em 2023, seis estão localizadas na Bahia. 

Entre 2022 e 2023, a rede inaugurou 11 novas lojas no estado, indo de 21 para 32 – um aumento de 57%.

Para o executivo, a praça é estratégica devido a fatores como a densidade da população e o crescimento econômico, mas o principal atrativo está na acessibilidade que a região proporciona.

A localização geográfica privilegiada, como uma ponte entre o Norte e o Nordeste do Brasil,  e acesso aos mercados da região Centro-Oeste, são aspectos chamativos para expandirmos nossa marca no estado com novas lojas e centros de distribuição”, detalha Marco.

Segundo ele, a posição geográfica e o acesso a importantes rodovias facilitam e deixam mais barato o transporte de mercadorias e otimizam os sistemas de distribuição. 

Negócios com parceiros regionais

Marco também destaca a oportunidade de negócio com parceiros regionais: “Na Bahia o Atacadão compra produtos de empreendedores locais de diversos municípios do estado, entre eles: Camaçari, Lauro de Freitas, Alagoinhas e Feira de Santana, e os disponibiliza em suas lojas para seus clientes". 

Ele afirma que cerca de 80% dos produtos vendidos são negociados regionalmente e 20% deles são produtos de marcas locais.

Estado da Bahia segue como foco em 2024

Em 2024, o Atacadão continuará com o processo, abrindo entre 10 e 12 lojas em todo o país. Segundo o CEO, a Bahia continua como foco da expansão.

“Chegamos ao estado em 2002, temos 33 unidades e 3 centros de distribuição. Somente na capital, temos 13 lojas. Já geramos mais de 10 mil empregos nestes 22 anos em que estamos presentes na Bahia, e seguiremos abrindo mais oportunidades para a população baiana com a nossa expansão na região”, conclui.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Acompanhe tudo sobre:AtacadoVarejoAtacadão

Mais de Bússola

Bússola Cultural: exposição de graffiti em homenagem à carreira dos Beatles

10 pontos de atenção no processo de abertura do mercado de gás natural brasileiro 

Diretora da Samsung explica por que 'ações devem ter objetivos claros' em empresas tech

Como o Grupo Estre fechou acordo de mais de R$ 1 bilhão com a Receita Federal

Mais na Exame