Bússola
Um conteúdo Bússola

Nova lei de importação: entenda como o e-commerce brasileiro será afetado

Expansão do mercado e regulamentação do setor inauguram novo momento de investimentos

72% dos brasileiros que realizaram compras online recorreram a varejistas internacionais (Arquivo/AFP)

72% dos brasileiros que realizaram compras online recorreram a varejistas internacionais (Arquivo/AFP)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 9 de agosto de 2023 às 11h39.

O Brasil é um dos principais mercados impulsionados pelo comércio cross-border – como é conhecido o comércio internacional. Em 2022, de acordo com o relatório Webshoppers, dos mais de 108 milhões de brasileiros que realizaram compras online, 72% recorreram a varejistas internacionais. Com as novas regras que regulamentam o setor, produtos de até 50 dólares ficam isentos de impostos de exportação. Apesar da tributação de ICMS de 17%, compras internacionais continuarão sendo vantajosas para pessoas físicas, o que promete manter o segmento aquecido e os olhares das gigantes como Shein, Aliexpress e Shopee.

Novos investimentos

O mercado em expansão e a regulamentação do setor inauguram um novo momento do varejo online e abrem espaços para novos investimentos. Uma abordagem eficiente, por exemplo, é a criação de marketplaces que acomodam esses sellers internacionais, ampliando a variedade de produtos disponíveis aos consumidores brasileiros alinhada com as expectativas do mercado.

A demanda por soluções do gênero é tendência entre as empresas de tecnologia e já é atendida por empresas como a Infracommerce  que oferece o serviço Marketplace In para a integração com sellers internacionais na modalidade cross-border.

Vendas D2C

Já para marcas e indústrias nacionais, a opção estratégica é investir nas vendas diretas ao consumidor (D2C), que asseguram margens mais saudáveis, permitem cuidados mais próximos com a experiência dos clientes e ampliam a relação com consumidores fiéis. Além disso, essa abordagem reforça o compromisso com a cadeia produtiva, experiência de consumo, garantia e qualidade do produto.  Não por acaso, os investimentos D2C são tendências globais. Grandes mercados como EUA, Europa e Ásia já possuem o segmento consolidado. O Brasil deve puxar, nos próximos anos, os maiores investimentos do setor em seu continente. 

A Infracommerce, destaque neste cenário, proporciona uma operação full-commerce end-to-end, permitindo uma abordagem D2C. A empresa atua em nove países diferentes e tem forte atuação na América Latina, oferecendo parceria estratégica para os varejistas online expandirem suas vendas internacionais.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Ele trabalhou descarregando caminhões, agora lidera marketplace de revestimentos de luxo

Por que investir no exterior morando no Brasil?

Como cada geração se relaciona com o dinheiro?

Acompanhe tudo sobre:VarejoComprasImportaçõesSheinShopeeAliExpress

Mais de Bússola

Gestão Sustentável: a matriz elétrica do Brasil e a tragédia dos comuns

Bússola & Cia: Travel Next revela crescimento do turismo em MG

Boom da IA: entenda como investimento nas startups tech cresceu 1045% vezes no 1º trimestre de 2024

Julian Tonioli e Leo Pinho: o cofre secreto dos negócios de aço e concreto

Mais na Exame