Um conteúdo Bússola

Instituto SulAmérica nasce para combater estigmas na saúde emocional

Organização sem fins lucrativos quer impactar 150 mil vidas em cinco anos, na promoção da saúde integral, na mente, no corpo e no bolso
Luiz Pires, diretor executivo do Instituto SulAmerica (Divulgação/Divulgação)
Luiz Pires, diretor executivo do Instituto SulAmerica (Divulgação/Divulgação)
B
BússolaPublicado em 09/05/2022 às 11:45.

Lançado no último mês, o Instituto SulAmérica, organização sem fins lucrativos mantida pelo Grupo SulAmérica, anunciou um propósito claro e desafiador: promover o acesso ao cuidado da saúde integral para pessoas em situação de vulnerabilidade social, a começar pela saúde emocional.

A meta é impactar a vida de 150 mil pessoas nos próximos cinco anos. Mas como falar de saúde emocional para uma população que enfrenta tantos outros desafios socioeconômicos? Em entrevista à Bússola, Luiz Pires, diretor executivo do Instituto SulAmérica, explica fala da criação da organização e sobre a importância de naturalizar o tema em todas as camadas da sociedade, combatendo o estigma e o preconceito.

Bússola: Como surgiu a ideia para a criação do Instituto? Por que só agora?

Luiz Pires: O instituto é resultado de uma longa jornada de evolução da sustentabilidade no Grupo SulAmérica. A companhia assumiu há mais de uma década um forte compromisso de incorporar as melhores práticas ambientais, sociais e de governança aos negócios, orientada pelos Princípios para o Investimento Responsável (PRI), os Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI) e o Pacto Global da ONU. A criação do Instituto SulAmérica nos posiciona em outro patamar nessa atuação ESG e levará a um fortalecimento da nossa estratégia de impacto social, permitindo uma atuação mais estruturante e perene diante dos desafios de acesso à saúde no Brasil.

Queremos levar para um número cada vez maior de pessoas a chamada saúde integral — que, para nós, é ter mente, corpo e bolso em equilíbrio. E decidimos iniciar esse trabalho a partir do pilar da saúde emocional, pois notamos que, mesmo com dados alarmantes que mostram a deterioração do bem-estar mental na população, sobretudo depois da pandemia, essa ainda é uma das questões mais negligenciadas pela sociedade e pelas políticas públicas.

Hoje, há mais pessoas no país com depressão (11,3%) do que com diabetes (9,1%), segundo pesquisa recente do Ministério da Saúde — e estamos falando de depressão clinicamente diagnosticada, então o número real deve ser bem maior, já que o estigma, o preconceito e a falta de informação dificultam o acesso aos cuidados de saúde mental. A Organização Panamericana da Saúde (OPAS) estima que entre 76% e 85% das pessoas com transtornos mentais em países de baixa e média renda não recebem tratamento.

Bússola: Como falar de saúde emocional para uma população que está em situação de vulnerabilidade e não considera esse um tema essencial no seu cotidiano?

Luiz Pires: A conscientização é, de fato, o desafio principal do instituto. O bem-estar na saúde emocional é uma jornada de quatro etapas que precisa ser percorrida pelo indivíduo: o acesso a informações sobre o tema, a identificação de que há uma necessidade interna de cuidado, a intenção de buscar ajuda e, por fim, a tomada de alguma atitude nesse sentido. Para gerar uma transformação social efetiva, nós precisamos apoiar as pessoas ao longo de todo esse caminho de conhecimento e autoconhecimento para, então, gerar prontidão e acesso aos cuidados efetivos. Seria muito fácil para nós, a partir da expertise da SulAmérica, oferecer teleatendimento gratuito com psicólogos, por exemplo. Mas já entendemos que é preciso fazer muito mais.

Um levantamento de 2021 do Instituto Locomotiva em parceria com a Gerando Falcões mostrou que a prevalência dos transtornos de ansiedade entre grupos em situação de vulnerabilidade social chegava a ser quatro vezes maior do que na população geral do país. Ou seja, as pessoas que mais precisam de apoio são as que menos têm condições materiais e oportunidades de acesso. Precisamos normalizar o diálogo sobre saúde emocional e transtornos mentais na sociedade como um todo, combatendo o estigma e o preconceito sobre o tema, mas, acima de tudo, entender que essa é uma conversa para todas as pessoas, não apenas para as classes A e B.

Bússola: Como atingir na prática esse objetivo de impactar 150 mil pessoas em cinco anos?

Luiz Pires: Temos um planejamento estratégico com quatro focos: reduzir o estigma e o preconceito em relação à saúde emocional; promover mais autoconhecimento e autocuidado; produzir e disseminar conhecimento científico para a sociedade em geral; e, por fim, facilitar o acesso de quem mais precisa à prevenção, ao diagnóstico e ao tratamento. Queremos construir um ecossistema de organizações e parceiros alinhados com nosso propósito e com os quais possamos criar soluções inovadoras e perenes de transformação social.

Naturalmente, também atuaremos de forma emergencial em algumas situações. Estamos promovendo, por exemplo, a campanha “Juntos por Petrópolis”, que oferece atendimentos médicos e psicológicos online e gratuitos a moradores de Petrópolis, e ampliamos para Angra dos Reis e Paraty, regiões severamente impactadas por fortes chuvas neste ano. No sábado, 30 de abril, organizamos, com a Central Única das Favelas (CUFA) e outros parceiros, um evento em Petrópolis com os serviços gratuitos de atendimento médico, acolhimento psicológico e emissão de segunda via de documentos pessoais, além da doação de itens de higiene pessoal, com mais de 350 pessoas atendidas.

Bússola: Para finalizar, o Instituto já nasce embaixador do Mente em Foco, projeto da Rede Brasil do Pacto Global da ONU. Que ações podem surgir daí?

Luiz Pires: O movimento #MenteEmFoco convida empresas e organizações brasileiras a reconhecer a importância da saúde mental no ambiente de trabalho e a agir em benefício de seus colaboradores, e da sociedade como um todo, para combater o estigma e o preconceito social ao redor do assunto. Ele nasceu para encorajar as empresas a trazer a saúde mental para a pauta de decisões, de forma a priorizar o tema, oferecer acolhimento aos colaboradores, e dar visibilidade a um assunto tão importante. A meta é ambiciosa: impactar 10 milhões de pessoas até 2030 por meio de programas corporativos de saúde mental.

Trata-se de um propósito totalmente alinhado com o que queremos realizar. Como embaixadores do movimento, nos unimos ao Pacto Global e aos demais signatários nos esforços para conscientização da população e também para adoção de compromissos internos, no sentido de apoiar a saúde emocional dos nossos colaboradores. No caso do Grupo SulAmérica, por exemplo, temos o programa Única Mente, que desenvolveu uma jornada de cuidado em saúde emocional para funcionários e também clientes. E, por meio do Instituto SulAmérica, queremos amplificar essa mensagem e essa atuação.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

63% dos brasileiros escolhem o câncer como prioridade para o Governo

O novo doar: a confiança como base do investimento social

Secretaria Municipal de Educação doa 12,8 milhões de absorventes no Rio