Um conteúdo Bússola

ESG e tecnologia: segurança da informação sob um olhar social

Assim como a preocupação com o aquecimento global ou a defesa dos direitos das minorias, a atenção à cibersegurança ultrapassa fronteiras da esfera privada
Empresas precisam investir ainda mais em profissionais da área de TI (FG Trade/Getty Images)
Empresas precisam investir ainda mais em profissionais da área de TI (FG Trade/Getty Images)
B
BússolaPublicado em 13/07/2022 às 18:45.

Por João Ricardo Saud* 

 

A forma como a sociedade deve olhar para a segurança da informação mudou. Esta foi uma das principais conclusões da edição deste ano da RSA Conference, um dos principais eventos mundiais sobre segurança da informação, realizado entre 6 e 9 de junho, em São Francisco, na Califórnia.  

Quem atua na área há de concordar: há pouco tempo, a segurança da informação era um assunto abordado na pauta empresarial, mas não saía muito dali. Com os crescentes ataques hackers, muitos deles com perfil terrorista, contra governos, o assunto começou a ganhar a esfera pública e os noticiários.  

Agora, vem surgindo um novo olhar sobre o tema: assim como o mundo tem se preocupado com o aquecimento global e os direitos das minorias, o tripé tecnologia, informação e segurança passa a ser incluído nas pautas ambientais, sociais e até humanitárias. Natural, afinal de contas, a tecnologia digital se tornou uma camada que permeia toda a nossa existência.  

É um assunto de extrema importância. No entanto, muitos países ainda não se adaptaram a essa realidade, incluindo o Brasil. O que podemos dizer, sobre o que vivemos no dia a dia, e o que observamos na RSA, é que isso é um erro. A cibersegurança não pode ser um tema que interessa ou diz respeito somente ao mundo corporativo.  

Nos Estados Unidos, por exemplo, após uma série de crises de vazamento de informações, a sociedade já começa a enraizar o conceito de que segurança de dados é um tema de importância sociológica.  

Além disso, a guerra entre Rússia e Ucrânia é prova dessa preocupação crescente. Um levantamento da Microsoft apontou que as Forças Armadas da Rússia lançaram ataques cibernéticos contra pelo menos 48 agências e empresas ucranianas. E os exemplos não param aí: recentemente, Israel acusou a Turquia de ataques físicos e cibernéticos contra sua infraestrutura nuclear e militar no Irã e na Síria - e pediu que seus cidadãos deixem a Turquia imediatamente sob risco de ataques terroristas. 

E é nessa esfera social que muitas empresas não sabem ainda como operar.  

Um passo a mais 

É imprescindível que as organizações, principalmente as grandes, que armazenam bilhões de dados sigilosos e pessoais, tenham equipes de TI (Tecnologia da Informação) bem preparadas e se protejam de ataques cibernéticos. Mas é preciso ir além. 

Não podemos fugir ao nosso papel social, e proteger dados apenas para evitar prejuízos financeiros. A atenção à cibersegurança deve ultrapassar as fronteiras da esfera privada.   

A partir de agora, precisamos levar em conta o contexto mundial e priorizar também a proteção da comunidade de empresas, pessoas, órgãos públicos e ainda a proteção da vida. 

*João Ricardo Saud é vice-presidente executivo da Asper 

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube 

Veja também

Como prevenir ataques cibernéticos em eventos ao vivo 

Navegar voando: wi-fi para celular vira rotina em aviões 

Abrainc debate uso de tecnologia e metaverso na construção civil