Bússola
Um conteúdo Bússola

Empresa faz parceria com Rubens Barrichello para ser nº 1 em software em segmento de apostas online

SOFTSWISS fez levantamento minucioso e descobriu os principais hábitos do apostador brasileiro

O CEO da SOFTSWISS ao lado de Rubens Barrichello (SOFTSWISS/Divulgação)

O CEO da SOFTSWISS ao lado de Rubens Barrichello (SOFTSWISS/Divulgação)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 22 de abril de 2024 às 15h19.

Última atualização em 22 de abril de 2024 às 17h46.

Tudo sobreApostas esportivas
Saiba mais

Até 2027 o mercado brasileiro de apostas online, ou “iGaming”, atingirá cerca de 3 bilhões, segundo a plataforma global de dados Statista.

O número chama a atenção, mas é preciso ficar atento: o brasileiro não aposta como os europeus, nem como os americanos.

A compreensão da cultura local é indispensável para a estratégia, quer você seja o gerente regional de uma empresa estrangeira ou o líder de uma brasileira que utiliza as globais como benchmarking

Mas então como garantir o sucesso na localização da sua estratégia? 

Para a SOFTSWISS, que oferece soluções de software para a indústria de jogos online, a resposta veio na forma de uma pesquisa minuciosa e a parceria com um atleta brasileiro de renome: Rubens Barrichello.

Segundo, Ivan Montik, fundador da empresa, o ex-piloto e recordista da Fórmula 1 tem o que é preciso para ajudar a companhia a realizar ações efetivas, guiadas pelos insights da sua pesquisa regional.

Barrichello ajudará a melhorar nossas conexões com parceiros B2B locais. Através de palestras e workshops, ele também irá potencializar o desempenho da equipe SOFTSWISS. Por fim, ele educará o mercado sobre a indústria iGaming e suas oportunidades na América Latina, ajudando a nos posicionar como fornecedora líder de software na área”, diz o executivo.

Na pesquisa da SOFTSWISS, estes foram os três principais pontos de atenção revelados: 

1. O brasileiro gosta de aplicativos

A maioria dos jogadores daqui vive em áreas metropolitanas e, com deslocamentos longos e frequentes, eles tendem a apostar online por meio de aplicativos de celular, preenchendo o tempo entre as viagens

  • O uso de aplicativos torna a atividade prática e atrativa.
  • A maioria se sente mais seguro com os apps do que com sites acessados no browser.

“Em resposta, garantimos que nossas plataformas de jogos sejam otimizadas para uso móvel, fornecendo soluções de aplicativos robustas que priorizam a segurança dos dados – uma preocupação significativa para os usuários”, Montik comenta.

2. Apostas com paixão

Os europeus são reservados, fazem apostas maiores, mas bem calculadas. Os brasileiros, por sua vez, apostam com mais frequência, nutrindo uma paixão forte pelo esporte da sua escolha.

Segundo a SOFTSWISS, os valores apostados são menores, mas o público é cativado mais facilmente.

3. O entretenimento precisa ser variado

Apesar do futebol ainda ser uma paixão nacional, no mundo das apostas online os esportes contribuem com uma parcela relativamente pequena.

80% da receita do setor de iGaming vêm, na verdade, dos jogos de casino. Curiosamente, a maioria dos utilizadores interage com jogos de casino através de sites de apostas esportivas.

Ou seja, uma coisa puxa a outra. Para a SOFTSWISS, essa informação valida os esforços da empresa para criar produtos como o Game Aggregator, o Casino Platform e o Jackpot Aggregator, que são ferramentas que possibilitam a operação de sites de apostas de forma integrada.

O Brasil é um gigante adormecido quando se trata de iGaming. O país tem todas as facetas vantajosas que o tornam um mercado atrativo e pronto para o sucesso. Queremos ser o seu parceiro número um”, conclui Montik.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Acompanhe tudo sobre:Apostas esportivasSoftware

Mais de Bússola

Ex-ministro Aldo Rebelo lança livro sobre o interesse internacional pela Amazônia

Análise do Alon: tragédia e oportunidade. E o bilhete esquecido da Mega-Sena

Patrick Sabatier: o Haiti não é aqui, mas é agora!

Por que a Drogaria São Paulo divulgou informe de sustentabilidade (mesmo sem precisar)?

Mais na Exame