Um conteúdo Bússola

Danilo Maeda: Sustentabilidade é profissão ou vocação?

Com crescente notoriedade, o tema tem despertado interesse de muitos, sendo assimilado de maneira potencialmente perigosa

Existem pelo menos dois processos que podem descaracterizar o conceito (Foto/Thinkstock)
Existem pelo menos dois processos que podem descaracterizar o conceito (Foto/Thinkstock)
Danilo Maeda
Danilo Maeda

Head da Beon - Colunista Bússola

Publicado em 21 de julho de 2023 às 11h15.

Última atualização em 13 de outubro de 2023 às 20h43.

Com o interesse crescente de sociedade civil e do mercado corporativo nos temas de desenvolvimento sustentável, houve um natural aumento da procura por profissionais capazes de decodificar e navegar pela complexidade dos desafios que compõem a agenda.

A demanda crescente por pessoas qualificadas foi acompanhado de uma movimentação relevante de profissionais que buscam uma transição de carreira para atuar com mais propósito e um senso de impacto positivo. Movimento legítimo, que também realizei há alguns anos, mas que precisa ser feito com consistência.

Como tudo que ganha notoriedade, a área de sustentabilidade tem sido alvo de dois processos perigosos. O mais visível é promovido por aventureiros que tentam "surfar a onda" do interesse crescente a partir de premissas frágeis e sem buscar conhecimento técnico. São fáceis de identificar, pois costumam ser barulhentos e investir muito em exposição de conteúdos com a profundidade de um pires. Para estes, basta haver boa intenção para promover mudanças e impacto positivo. Mesmo que o entendimento de "impacto" seja inconsistente. 

O segundo processo é o dos corporativistas, que tentam criar reservas de mercado. Estes parecem acreditar que promover sustentabilidade é tarefa exclusiva de seres especiais e iluminados que, coincidentemente, possuem exatamente o conjunto de formação e experiência de quem defende tal posição.

As posições descritas acima parecem contraditórias, mas trazem problemas para o desenvolvimento de um mercado novo, cujo futuro depende de escolhas feitas hoje. A necessária densidade e conhecimento técnico não impede que profissionais de diferentes origens façam ESG e protagonizem a agenda. Na realidade, dado seu caráter transversal, é inclusive recomendável uma abordagem inter e transdisciplinar.

Por isso, incentivo que colegas de outras áreas persigam seus planos de transição e passem a atuar com sustentabilidade. O caminho não é tão simples, mas recompensador. É um mercado que estamos criando "em tempo real" e que traz desafios amplos e diversos. Alguns espaços existem, outros precisam ser abertos, e precisamos de gente com diferentes qualidades e experiências – devidamente instrumentalizadas com conhecimento profundo – para fazer isso na velocidade necessária.

O sucesso dos objetivos de desenvolvimento sustentável, que (vale sempre lembrar) são críticos para o futuro da própria humanidade, depende de pessoas engajadas em sustentabilidade não só por vocação, mas também por profissão.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Etanol de segunda geração é combustível para o futuro

Danilo Maeda: O começo do círculo

4Equity - Media Ventures lança fundo de investimento em media for equity

Mais de Bússola

Análise do Alon: um esboço de (começo de) autópsia

Como a inteligência artificial está transformando as corretoras de seguros

Roku, agregadora de serviços de streaming, quer se consolidar no Brasil fazendo parceria com PPPs

Bússola Cultural: Museu da Língua Portuguesa exibirá filmes ao ar livre 

Mais na Exame