Bússola
Um conteúdo Bússola

Análise do Alon: "é a política, estúpido"

Nesta semana, Alon Feuerwerker analisa os fatores que são definitivos para a vitória em eleições

A administração Luiz Inácio Lula da Silva enfrenta ainda uma dificuldade adicional (Leandro Fonseca/Exame)

A administração Luiz Inácio Lula da Silva enfrenta ainda uma dificuldade adicional (Leandro Fonseca/Exame)

Alon Feuerwerker
Alon Feuerwerker

Analista Político - Colunista Bússola

Publicado em 6 de maio de 2024 às 13h00.

Tudo sobrePolítica
Saiba mais

O governo federal encontra alguns percalços pelo caminho. Isoladamente, não chegam a ter grande impacto, mas no conjunto acabam provocando sensação de desconforto. E a abordagem do governo tem sido tópica. O ato do Primeiro de Maio foi fraco? Culpa da fraca convocação. As relações com o Congresso andam pedregosas? Herança maldita de Jair Bolsonaro, que cedeu poder demais ao centrão. As pesquisas preocupam? Falta comunicar-se melhor.

A administração Luiz Inácio Lula da Silva enfrenta ainda uma dificuldade adicional. Na esteira do ambiente produzido pelo 8/1, toda crítica contundente corre o risco de ver-se criminalizada, visto a declarada prioridade de proteger as instituições nacionais. Há poucas coisas mais perigosas para governos do que o apoio e a proteção praticamente consensuais na opinião pública. Pois nem os aplausos unânimes nem a interdição do debate conseguem represar eternamente os problemas ou o sentimento popular.

É a velha história do canário na mina de carvão.

São bem conhecidas na historiografia e na bibliografia as situações em que tudo parece estar sob controle, até que um dia, de repente, o poder topa com a urna ou com a rua. Ou com as duas. Os relâmpagos em céu azul.

Olhar para a política é o movimento mais prudente quando os problemas parecem chegar em série.

Certa leitura mecânica do impacto da economia na aritmética eleitoral tende a produzir determinismos perniciosos. Nem sempre uma economia positiva produz pesquisas, ou urnas, decisivamente a favor. Um exemplo é Joe Biden agora. Os números econômicos ali são bons, o incumbente sempre será competitivo, mas por enquanto a aprovação dele vai mal e ele come poeira para Donald Trump.

Outro exemplo é o próprio Bolsonaro. Chegou à disputa da reeleição com a economia recuperando-se bem, isso até permitiu a ele manter-se competitivo, mas não foi suficiente para compensar uma rejeição que pouco ou nada tinha a ver com a condução econômica. Recorde-se, por falar em bolso, que o então presidente mais que triplicou o valor do Bolsa Família, renomeado Auxílio Brasil, mas isso não lhe rendeu qualquer avanço substancial em votos no público beneficiado.

Nem sempre o “é a economia, estúpido”, (crédito ao Carville) é quem decide. Em eleições como a nossa para o Executivo, quando disputadas em dois turnos, é preciso ter 50% mais um dos votos. 50% menos um não adianta nada.

É possível que o governo Lula tenha partido de um diagnóstico pouco preciso quanto ao país que decidiu dar a ele este novo mandato. Na narrativa oficial, o Brasil precisava ser reconstruído. Mas talvez a vitória em 2022 tenha decorrido principalmente de uma rejeição à pessoa de Bolsonaro, nem tanto ao governo que ele presidia. O que talvez exigisse mais cuidado no manejar a polarização e mais esforços para a busca de pontos de contato e possíveis consensos entre os campos político-sociais.

Isolar o campo da direita e exercer o poder principalmente por meio da coerção jurídica têm tido alguma eficácia operacional, mas parecem reduzir a possibilidade da busca de consensos. Antonio Gramsci desenvolveu bem a relação entre coerção, consenso e conquista da hegemonia. Até numa ditadura propriamente dita é dificílimo governar contra metade da população. Quanto mais num regime político que mantém traços de democracia constitucional.

E o argumento de que a polarização estaria cristalizada não resiste ao teste empírico, pois diversos governadores e prefeitos da direita e da esquerda têm conseguido avançar sobre o eleitorado que preferiu o campo oposto na última eleição. Basta olhar os números atuais de avaliação e aprovação deles.

E tem também a combinação de vetores dos interesses da Fazenda (exibir disciplina fiscal) e do restante do Executivo (gastar, investir), sem que um e outro demonstrem qualquer preocupação com conter o gasto público ineficiente. A única resultante possível é a pressão para arrecadar mais. O governo sempre repete que a ideia é taxar os ricos, mas a cidadania acaba desconfiando, com alguma razão, que o esforço arrecadatório sairá do bolso dos de sempre e acabará no bolso dos de sempre.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

 

Acompanhe tudo sobre:Bússola Análise do AlonPolítica

Mais de Bússola

A importância do licenciamento de músicas para uso em redes sociais

Brasileiros apresentam a MIT e Harvard primeira tecnologia de treinamento de cirurgiões no metaverso 

SP terá semana dos shoppings centers no Expo Center Norte 

Bruno Serapião: COP 30, biocombustíveis e a importância do Brasil para a transição energética global

Mais na Exame