Bússola
Um conteúdo Bússola

Análise do Alon: a dura vida da bailarina

As armadilhas no caminho de quem tenta se apresentar como político guiado por princípios genéricos não dão sossego

A análise vem se espantando com a resiliência da polarização (PeopleImages/Getty Images)

A análise vem se espantando com a resiliência da polarização (PeopleImages/Getty Images)

Alon Feuerwerker
Alon Feuerwerker

Analista Político - Colunista Bússola

Publicado em 27 de maio de 2024 às 13h00.

Tudo sobreBússola Análise do Alon
Saiba mais

Há certos debates de viés filosófico que acabam tendo impacto imediato na política. O do momento é sobre o conceito de “verdade”. Buscam-se mecanismos que impeçam a contaminação do tecido social pela “não verdade”, e o caminho tateado é estabelecer normas para tanto e instâncias que as apliquem, premiando a verdade e punindo seu oposto.

Como se trata de um caso típico em que falar é mais fácil do que fazer, a tentativa por aqui vem atolando no pântano dos fatos, da correlação de forças e das malvadas contradições, sempre elas. Dois problemas imediatos já bem identificados: 

  1. Achar os critérios que definam com alguma precisão qual é a verdade em cada caso.
  2. Quem ficará encarregado de julgar, premiar e punir.

Daí também um certo impasse legislativo em torno do tema, pois impor “a verdade” sem permitir que ela nasça a partir da observação da realidade e do confronto aberto entre opostos só é possível, e mesmo assim de maneira imperfeita e temporária, pelo terror. E, como mostra o retrospecto, todo regime que se sustenta apenas com base na violência tem encontro marcado com o colapso.

Já que estamos tratando da verdade, eis mais uma: é mais confortável deixar a racionalidade para lá, ou ignorar Werner Heisenberg e seu Princípio da Incerteza, e buscar o conforto do pensamento único. O curioso, mas não inesperado, é essa obsessão hoje ser marca de quem atravessou os anos 90, após o colapso do socialismo real na Europa, reclamando e se lamentando por causa da tentativa de impor o fim da história e a hegemonia liberal.

Mas exigir coerência na política é ingenuidade ou hipocrisia, não percamos tempo.

A análise vem se espantando com a resiliência da polarização. Como já dito em textos aqui, há algum equívoco em absolutizar, pois muitos governadores e prefeitos, talvez a maioria, conseguem escapar da própria bolha e lançar pontes ao campo dos que não votaram neles.

Porém a ossificação é um fato na esfera nacional. Talvez pelo protagonismo da política mais ideológica. Vai saber…

Talvez tenha a ver com uma lógica atualmente hegemônica, mais voltada a criminalizar ideias e ações políticas dos adversários do que a derrotá-los com algum uso da razão. Quando discutia sua prisão, Luiz Inácio Lula da Silva argumentava que retirá-lo de circulação não resolveria o problema dos oponentes, pois ele tinha deixado de ser apenas uma pessoa. Tinha se transformado numa ideia.

Se vale para ele, quem sabe valha também para os contra ele.

*

E as armadilhas no caminho de quem tenta se apresentar como político guiado por princípios genéricos?

Nesta semana, o procurador no Tribunal Penal Internacional pediu a prisão de dois líderes israelenses e três do Hamas. O que causou certo desconforto entre parte dos críticos de Israel na Esplanada. Como festejar uma parte do parecer e criticar outra? Complicado. Ainda mais quando o presidente da Rússia também teve sua prisão decretada pelo TPI.

É mesmo dura a vida da bailarina.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

 

Acompanhe tudo sobre:Bússola Análise do Alon

Mais de Bússola

A importância do licenciamento de músicas para uso em redes sociais

Brasileiros apresentam a MIT e Harvard primeira tecnologia de treinamento de cirurgiões no metaverso 

SP terá semana dos shoppings centers no Expo Center Norte 

Bruno Serapião: COP 30, biocombustíveis e a importância do Brasil para a transição energética global

Mais na Exame