Acompanhe:

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou ontem duas propostas da pauta do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para aumentar a arrecadação e buscar o déficit zero em 2024, meta mantida pelo governo. Os senadores agora precisam analisar os assuntos no plenário, o que o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD), indicou que pode ocorrer na semana que vem.

Um dos projetos muda a tributação da alta renda em fundos de investimento no exterior (offshore) e exclusivos, com o qual o governo quer levantar R$ 20 bilhões no ano que vem. O outro texto taxa as empresas de apostas on-line, esportivas ou não. As estimativas, consideradas conservadoras pelo governo, são de uma arrecadação de R$ 2 bilhões em 2024 com a medida.

O projeto sofreu modificações e precisará voltar para análise da Câmara após passar pelo crivo do plenário do Senado.

O relator Angelo Coronel (PSD-BA) diminuiu o tributo cobrado sobre o faturamento das empresas de apostas para 12%. O texto aprovado na Câmara previa uma cobrança de 18% sobre o faturamento. Além disso, o projeto traz agora a obrigatoriedade das chamadas “bets” estrangeiras terem ao menos 20% do capital nas mãos de uma empresa brasileira, o que não estava previso no projeto da Câmara.

Coronel afirmou que as mudanças foram acordadas com as empresas e o Ministério da Fazenda.

A cobrança de Imposto de Renda ao apostador também foi alterada no Senado. A taxação, que ocorrerá para prêmios a partir de R$ 2.112, será de 15% em cima do ganho de capital ao fim do ano — a proposta original previa um pagamento de 30% por aposta vencedora.

Regulamentação ampla

O projeto mantém o direito à publicidade das empresas em estádios e veículos de comunicação, mas com regras, já definidas no texto da Câmara. Coronel também manteve a regularização de todos os tipos de jogos on-line, o que tende a fazer a arrecadação aumentar.

— A maioria dos senadores viu a necessidade de regularizar os jogos. Não estamos inventando os jogos. Os jogos já existem, mas na clandestinidade. Após essa aprovação, será cobrado imposto. Quem ganha é a população brasileira — disse Coronel.

O projeto também institui uma outorga inicial para autorizar os sites a funcionarem legalmente, de R$ 30 milhões, válida por cinco anos.

Coronel aceitou uma sugestão do senador Izalci Lucas (PSDB-DF) para a comercialização de apostas de quota fixa por Permissionários Lotéricos, a partir de outorgas adquiridas pela Caixa Econômica Federal.

O Ministério da Fazenda propôs uma divisão nas responsabilidades de distribuição das receitas com apostas, num acordo para o texto avançar. A equipe econômica propõe que o repasse para as entidades e confederações esportivas fique com o Ministério do Esporte. Áreas como educação, segurança pública, seguridade social e turismo também receberão os recursos.

O relator havia acrescentado um trecho que estendia por mais cinco anos a isenção fiscal para projetos de modernização de portos, chamado Reporto. Após protestos de senadores, que chamaram a tentativa de jabuti, o artigo foi retirado da proposta de apostas, e a prorrogação do Reporto foi votada separadamente.

O projeto que trata dos fundos voltados para a alta renda, por sua vez, não teve alterações e pode ir para sanção assim que aprovado pelo plenário do Senado.

— A Fazenda vê como demanda de urgência a aprovação do projeto. Apenas as mudanças redacionais foram discutidas com a Fazenda. Acho que será uma aprovação com quórum facilitado. É um projeto que busca a justiça tributária, na medida em que traz para a arrecadação aqueles que estavam afastados, é um projeto justo — disse o relator, Alessandro Vieira (MDB-SE).

A proposta tributa os investimentos fora do país (offshore) a uma taxa de 15%, que deverá ser paga uma vez ao ano. Para os fundos exclusivos, a taxa será de 15% em aplicações de longo prazo e de 20% para fundos de curto prazo. Nesta modalidade, a cobrança ocorrerá duas vezes ao ano. Hoje, só há pagamento de imposto no resgate.

Os investidores também precisarão pagar o imposto sobre a aplicação acumulada nos fundos, chamada de estoque. Para aqueles que fizerem o pagamento antecipado, até dezembro deste ano, a taxa será de 8%.

Especialistas ressaltam que esse projeto é importante não apenas pelo que vai acrescentar na arrecadação do governo, mas por alinhar a tributação de grandes investidores aos fundos tradicionais

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
O que diz a PEC das drogas aprovada pelo Senado e qual o impacto no julgamento do STF?
Brasil

O que diz a PEC das drogas aprovada pelo Senado e qual o impacto no julgamento do STF?

Há 17 horas

Relator vê como 'sadia' antecipação de frentes parlamentares na regulamentação da tributária
Brasil

Relator vê como 'sadia' antecipação de frentes parlamentares na regulamentação da tributária

Há 21 horas

Comissão do Senado analisa hoje PEC que cria bônus para juízes e promotores
Brasil

Comissão do Senado analisa hoje PEC que cria bônus para juízes e promotores

Há um dia

Congresso prepara sessão que deve impor derrotas a Lula, e ala do governo tenta adiamento
Brasil

Congresso prepara sessão que deve impor derrotas a Lula, e ala do governo tenta adiamento

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais