Senado aprova remarcação e reembolso de eventos cancelados pela pandemia até 2023

Texto, que segue para sanção presidencial, prorroga em mais um ano as medidas emergenciais aprovadas em 2020 para atenuar impactos da Covid-19 no setor, que não é obrigado a devolver dinheiro
Shows: MP prorroga em mais um ano a possibilidade de remarcar serviços e eventos culturais (Mariana Martucci/Exame)
Shows: MP prorroga em mais um ano a possibilidade de remarcar serviços e eventos culturais (Mariana Martucci/Exame)
A
Agência O Globo

Publicado em 08/06/2022 às 20:45.

Última atualização em 08/06/2022 às 20:46.

O Senado aprovou, nesta quarta-feira, a Medida Provisória (MP) que prorroga em mais um ano a possibilidade de remarcar serviços e eventos culturais e de turismo impactados pela pandemia da Covid-19. Como não houve alteração no texto aprovado na Câmara, o projeto segue para sanção presidencial.

Entenda como as decisões da Câmara e do Senado afetam seu bolso. Assine a EXAME.

Com a aprovação da MP, as medidas emergenciais aprovadas em 2020 para aliviar o setor cultural e de turismo causados pela crise sanitária mundial continuarão em vigor até 31 de dezembro de 2023.

Empresas não são obrigadas a devolver dinheiro

Pelo texto, não há necessidade de ressarcir o consumidor por eventos adiados ou cancelados por causa da Covid-19, desde que seja possível remarcar ou que seja dado um crédito para uso futuro. Esse crédito terá prazo de 12 meses para ser usado, até dezembro de 2023.

Caso a empresa não consiga remarcar nem dar o crédito ao consumidor, ela deverá fazer o ressarcimento. A regra é de que, para eventos suspensos ou cancelados em 2021, o a empresa deve devolver o valor ao cliente até dezembro de 2022. Já para cancelamentos em 2022, o estorno deverá ser feito até dezembro de 2023.

A MP foi relatada no Senado pela senadora Daniella Ribeiro (PSD-PB). Ela informou que a proposta recebeu quatro emendas na Casa, mas todas foram rejeitadas. Um dos motivos para isso é que é que a medida provisória perde o efeito no dia 21 de junho. Caso houvesse alguma mudança, o texto voltaria à Câmara e poderia não ter tempo hábil para ser aprovado antes de caducar.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), comemorou a aprovação da MP em suas redes sociais.

“Acaba de ser aprovado no Senado a MPV 1101/2022, que mantém as medidas emergenciais para atenuar os efeitos da pandemia nos setores de turismo e de cultura, que sofreram grandes impactos no período de restrições”, escreveu Pacheco.

“Essas áreas, que são elementos fundamentais para nossa identidade e economia, precisam e serão prestigiadas pelo Senado Federal, para se promover segurança e justiça aos consumidores e aos profissionais”.

(Agência O Globo)

LEIA TAMBÉM:

Vai ter terceira via? PSDB deve apoiar Tebet a presidente e indicar Tasso como vice

STF decide que empresas precisam dialogar com sindicatos antes de demissão em massa