Brasil

Quem é Miguel Gutierrez, ex-CEO da Americanas preso na Espanha

Gutierrez foi incluído na lista de procurados da Interpol após ser considerado foragido pela PF

 (Reprodução/Reprodução)

(Reprodução/Reprodução)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 28 de junho de 2024 às 11h16.

Tudo sobreAmericanas
Saiba mais

O ex-CEO da Americanas, Miguel Gutierrez, foi preso nesta manhã de sexta-feira, 28, em Madrid, na Espanha, após a Polícia Federal deflagrar uma operação que investiga a participação de ex-diretores da empresa em fraudes contábeis que chegam ao montante de R$ 25,3 bilhões.

Gutierrez foi incluído na lista de procurados da Interpol após ser considerado foragido pela PF. O executivo negou repetidas vezes que estava ligado às irregularidades no caso de fraude na varejista. Ele tem cidadania espanhola e vivia em Madri, na Espanha, há um ano.

Quem é Miguel Gutierrez

Miguel Gutierrez nasceu em 1961 e é brasileiro com dupla cidadadnia espanhola. O executivo se formou em engenharia mecânia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e em economia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

Gutierrez começou a carreira na Americanas em 1993, quando a empresa ainda era comandada por Carlos Alberto Sicupira, um dos acionistas de referência da companhia e parte do  trio 3G, ao lado de Jorge Paulo Lemann e Marcel Herrmann Telles.

O executivo assumiu a presidência da empresa em meados de 2003. Antes, passou por diversos setores e agradou os sócios da empresa por ter um perfil focado em estratégias para corte de custos nas operações, segundo informações da Bloomberg. 

Com perfil discreto, Gutierrez deixou a empresa em dezembro de 2022, após 20 anos no comando. Durante esse período, fez raras aparaições públicas. Sergio Rial, ex-executivo do Santander, assumiu o cargo, mas ficou apenas nove dias, e pediu demissão após identificar as fraudes contábeis nos balanços da empresa.

Gutierrez é apontado pelas investigações da PF como um dos principais investigados no caso de fraude na empresa, sendo apontado por levantamento internos da Americanas como um dos ex-diretores envolvidos.

O que a operação da PF descobriu até agora sobre a fraude na Americanas?

Na ação realizada pela PF na quinta-feira, cerca de 80 policiais federais cumpriram dois mandados de prisão preventiva e 15 mandados de busca e apreensão nas residências dos ex-diretores das Americanas, localizadas no Rio de Janeiro.

Além disso, a Justiça Federal determinou o bloqueio de bens e valores de todos ex-diretores investigados, que somam mais de R$ 500 milhões.

A investigação aponta que os ex-diretores praticaram fraudes contábeis relacionadas a operações de risco sacado, que consiste em uma operação na qual a varejista consegue antecipar o pagamento a fornecedores por meio de empréstimo junto aos bancos.

Acompanhe tudo sobre:Americanas

Mais de Brasil

Após cobrança de estudantes por causa e obra inacabada, Lula vai a novo evento em universidade de SP

Nunes se refere a Boulos como ‘vagabundo’ e ‘sem-vergonha’ durante convenção do PL em SP

Linha 9-Esmeralda opera com problemas na estação Mendes-Vila Natal na manhã desta terça-feira

Baixa umidade e calor de até quase 40°C nesta terça; veja previsão do tempo

Mais na Exame