Acompanhe:

PV oficializa candidatura de Eduardo Jorge à Presidência

Eduardo Jorge e Célia Sacramento foram hoje ao TSE para registrar a candidatura à Presidência e à Vice-Presidência, respectivamente

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Eduardo Jorge: PV defende a adoção do modelo parlamentarista de governo
 (Egberto Nogueira/imafortogaleria)

Eduardo Jorge: PV defende a adoção do modelo parlamentarista de governo (Egberto Nogueira/imafortogaleria)

C
Carolina Sarres

Publicado em 3 de julho de 2014 às, 16h41.

Brasília - O Partido Verde (PV) oficializou hoje (3) a candidatura de Eduardo Jorge e Célia Sacramento à Presidência e à Vice-Presidência da República, respectivamente, para as eleições deste ano. Eduardo Jorge e Célia foram hoje (3) ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para registrar a candidatura. O primeiro turno da eleição presidencial será no dia 5 de outubro.

Segundo Eduardo Jorge, o programa de governo do PV é fundamentado em três pontos: fortalecimento da democracia, descentralização governamental e apoio ao desenvolvimento sustentável.

Para fortalecer a democracia, o PV defende a adoção do modelo parlamentarista de governo, das eleições distritais mistas (combinação de voto para candidatos do distrito e da legenda, com a elaboração de um quociente eleitoral) e do voto facultativo.

"O povo tem razão em reclamar da estrutura representativa no Brasil. Somos um partido que queremos dizer à nação que precisamos aperfeiçoar isso. Essa insatisfação do povo precisa ser resolvida", disse o candidato.

De acordo com Eduardo Jorge, o voto facultativo é uma resposta à melhoria do sistema democrático, porque pressupõe a vontade de contribuir para a governança do país, com a escolha de um programa de governo com o qual existe identificação e o posterior acompanhamento do candidato vitorioso pelo eleitor.

Sobre a descentralização governamental, o candidato explicou que o PV defende mais participação estadual e municipal na administração pública, por meio do aumento dos repasses aos governos locais, o que, para os verdes, facilitaria a fiscalização da sociedade e, consequentemente, fortaleceria o sistema democrático.

"No Brasil, ao contrário do que diz a Constituição Federal – que tem de se fortalecer a administração descentralizada, para que o município possa conduzir políticas públicas próximas do povo – Brasília continua concentrando os recursos. Brasília e a Esplanada [dos Ministérios, em referência ao governo federal] são macrocéfalos. Estão próximos de abocanhar 70% dos recursos nacionais. Nos último dez anos, o governo federal só aumentou sua parcela", criticou Eduardo Jorge.

Segundo ele, caso o PV vença as eleições, o objetivo é fazer que os recursos nacionais sejam distribuídos de forma mais igualitária entre as três esferas de governo – federal, com 33%; estadual, com 33%, e municipal com 34%. Eduardo Jorge não descarta a possibilidade de os municípios terem participação ainda mais alta.

Quanto ao desenvolvimento sustentável, pauta tradicionalmente defendida pelos verdes, o candidato reforçou que os principais eixos são a adaptação do país às mudanças do clima, a adoção de matrizes energéticas alternativas e limpas, principalmente a solar, e a superação da pobreza por meio de políticas de sustentabilidade.

"O partido quer mostrar que o desenvolvimento sustentável é a nova forma de movimentar a economia e tem um porto seguro no PV. [O partido] quer que outros incorporem também esse importante conceito. Não há monopólio, porem, entendemos que os outros partidos são do século 20, preocupam-se com política, economia e um pouco com políticas sociais, mas não com os limites impostos pela natureza", explicou.

O candidato falou também sobre o apoio dos verdes a questões sociais, como a ampliação dos direito das mulheres, dos negros e das pessoas com deficiência, e à liberdade de orientação sexual.

Eduardo Jorge, de 64 anos, nasceu em Salvador e passou a infância e a juventude em João Pessoa. Médico sanitarista, foi deputado estadual de 1983 a 1986, deputado federal nas legislaturas de 1987 e 2003 e secretário municipal da Saúde e do Meio Ambiente de São Paulo.

A candidata à Vice-Presidência, Célia Sacramento, é atualmente vice-prefeita de Salvador. Já exerceu também mandatos de vereadora e deputada federal.

Ontem (2), o PSOL registrou a candidatura da ex-deputada federal Luciana Genro à Presidência da República. Para esta tarde, é aguardado o registro da candidatura de Eduardo Campos, do PSB, à Presidência e de Marina Silva, da Rede Solidariedade, à Vice-Presidência.

Últimas Notícias

Ver mais
Ato de Bolsonaro na Paulista deve contar com deputados, senadores e governadores aliados
Brasil

Ato de Bolsonaro na Paulista deve contar com deputados, senadores e governadores aliados

Há 4 horas

Projeto prevê cadastro de clientes que não desejam receber ligação de bancos
Brasil

Projeto prevê cadastro de clientes que não desejam receber ligação de bancos

Há 8 horas

Lula deve ter ao menos 2 reuniões bilaterais em viagem à Guiana, diz Itamaraty
Brasil

Lula deve ter ao menos 2 reuniões bilaterais em viagem à Guiana, diz Itamaraty

Há 22 horas

Aneel mantém bandeira tarifária verde em março, sem adicional nas contas de luz
Brasil

Aneel mantém bandeira tarifária verde em março, sem adicional nas contas de luz

Há 22 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais