Acompanhe:

Próximos na lista: Ernesto Araújo e Fábio Wajngarten irão à CPI da Covid

Representantes de laboratórios também devem prestar depoimento ao colegiado na semana que vem

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ernesto Araújo, ex-ministro das Relações Exteriores (AFP/AFP)

Ernesto Araújo, ex-ministro das Relações Exteriores (AFP/AFP)

A
Alessandra Azevedo, de Brasília

Publicado em 5 de maio de 2021 às, 17h18.

Última atualização em 5 de maio de 2021 às, 17h44.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid aprovou requerimentos nesta quarta-feira, 5, para ouvir o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo e o ex-secretário de Comunicação da Presidência da República Fábio Wajngarten, ambos na semana que vem. Além deles, irão ao colegiado representantes de laboratórios farmacêuticos.

O depoimento de Wajngarten será na terça-feira, 11. Além dele, serão ouvidos dois representantes da Pfizer: a atual presidente, Marta Diéz, e o antecessor dela no cargo, Carlos Murillo. No dia seguinte, quarta-feira, 12, a CPI receberá o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade.

O depoimento de Araújo está agendado para quinta-feira, 13, mesma data em que será ouvido o presidente da farmacêutica União Química, Fernando de Castro. Com Araújo, os senadores querem analisar se as barreiras diplomáticas entre o Brasil e outros países, como China e Estados Unidos, durante a gestão dele, podem ter atrapalhado a aquisição de vacinas.

No caso de Wajngarten, são esperados esclarecimentos sobre negociações com a Pfizer para a compra de imunizantes. Em entrevista à revista Veja, ele afirmou que o Ministério da Saúde agiu com "incompetência" e "ineficiência" durante as tratativas com a farmacêutica, que ofereceu 70 milhões de doses ao governo no ano passado.

 

A fase de depoimentos à CPI começou nesta semana, com a presença de Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde, nesta terça-feira, 4. No depoimento, Mandetta afirmou que Bolsonaro discordava das recomendações de isolamento social e que o presidente foi avisado sobre a possibilidade de colapso do sistema de saúde.

Teich, ouvido nesta quarta-feira, 5, disse que não tinha autonomia à frente do ministério e que foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro por ter discordado dele sobre o uso da cloroquina para tratamento de covid-19. Ele também afirmou que o Brasil poderia ter acesso a mais doses de vacina, se tivesse se antecipado.

 

Últimas Notícias

Ver mais
Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha
ESG

Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha

Há 4 horas

Com investimento de R$ 30 mil, eles criaram um negócio de vacinas no interior que fatura R$ 36 mi
seloNegócios

Com investimento de R$ 30 mil, eles criaram um negócio de vacinas no interior que fatura R$ 36 mi

Há 5 horas

Pacheco pede inclusão de infraestrutura em PL de dívida dos estados
Brasil

Pacheco pede inclusão de infraestrutura em PL de dívida dos estados

Há 13 horas

Lula veta trecho sobre visita a parentes na lei que restringe 'saidinha' de presos
Brasil

Lula veta trecho sobre visita a parentes na lei que restringe 'saidinha' de presos

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais