Brasil

Porto Alegre decreta racionamento de água e esvazia abrigo e mais bairros

Medida da prefeitura foi anunciada nesta segunda-feira, causando correria e engarrafamentos

Chuvas no Rio Grande do Sul: estado sofre com enchentes e deslizamentos  (Giulian Serafim / PMPA/Divulgação)

Chuvas no Rio Grande do Sul: estado sofre com enchentes e deslizamentos (Giulian Serafim / PMPA/Divulgação)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 7 de maio de 2024 às 15h06.

Última atualização em 7 de maio de 2024 às 16h57.

Tudo sobreEnchentes no RS
Saiba mais

A prefeitura de Porto Alegre indicou o esvaziamento parcial dos bairros Menino Deus, na zona sul, e Cidade Baixa, na região central, após problemas com choques elétricos em uma casa de bombas do sistema contra enchente. A medida foi anunciada na segunda-feira, 6, causando correria e engarrafamentos.

Com a indicação, foi necessário esvaziar a central de triagem de abrigos, que funcionava no Centro Municipal de Cultura, Arte e Lazer Lupicínio Rodrigues (conhecido pelo Teatro Renascença). No espaço, desabrigados eram recebidos e, depois, encaminhados para outros locais. O trânsito foi liberado nas faixas exclusivas de ônibus, para reduzir os engarrafamentos. Cerca de 9 mil pessoas estão em abrigos, além das que estão em casas de amigos e parentes.

Um decreto de racionamento de água foi publicado na segunda, diante do funcionamento de apenas duas das seis estações de tratamento e de forma abaixo do normal. A indicação é que o consumo envolva apenas o essencial. Atividades como lavagens automotivas, de calçadas e fachadas, rega de jardins e gramados, bem como uso em salões de beleza, clínicas estéticas, academias, em banho e tosa de animais devem ser evitadas. As decisões valem até que seja retomada a regularidade no abastecimento de água em Porto Alegre.

"Estamos vivendo um desastre natural sem precedentes em Porto Alegre e no Rio Grande, e todos precisam contribuir. O desabastecimento é real e vai levar tempo até ser retomado com regularidade. Estamos buscando alternativas em diferentes frentes, mas a consciência de cada cidadão é decisiva para não piorar o cenário", disse o prefeito Sebastião Melo.

O prognóstico de pesquisadores é que a enchente vá se estender por ao menos mais 10 dias. Com a situação, os cientistas do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) voltaram a divulgar um mapa com potenciais áreas alagáveis na cidade. A ferramenta mostra locais propensos a alagamentos no caso de falha no sistema contra enchentes. No momento, apenas cerca de 5 das 23 casas de bombas estão operando, segundo a prefeitura, as quais são necessárias para retirar a água da zona urbana.

O Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) divulgou que a "água está avançando rapidamente pela região da Cidade Baixa e Menino Deus". A estimativa é que a enchente possa chegar a até 1 5 m de altura acima do nível de algumas vias dos dois bairros. Ao todo, o Guaíba está com 5,27 m (a cota de inundação é de 3 m) de altura.

Outros bairros da capital gaúcha também tiveram a evacuação indicada nos últimos dias pela gestão Sebastião Melo (MDB), como Humaitá e Sarandi, na zona norte, e Arquipélago, que abrange as ilhas, nos quais a cheia chegou a um nível ainda maior. Também foram afetados diversos outros pontos das zonas sul, central e norte.

Em coletiva de imprensa, Melo destacou a necessidade da população ter calma neste momento e ressaltou que os mais afetados serão os andares térreos. Cerca de 170 mil imóveis estão sem energia na cidade, por medida de segurança. "As pessoas que puderem devem sair dessas regiões", afirmou. "Nós estamos vivendo a maior crise climática que o Brasil passou", declarou.

O prefeito voltou a indicar que os moradores que puderem saiam para cidades menos afetadas. "Mais uma vez, apelo para o racionamento. E volto a dizer: na situação que está a cidade, aqueles que têm condição de sair da cidade, seja para parentes, seja para a praia, para outra localidade, é uma contribuição que essa família dá para aqueles que aqui ficam", afirmou.

O Aeroporto Salgado Filho teve todos os voos cancelados até 30 de maio, enquanto ao menos 70% da cidade está sem abastecimento de água há dias.

Segundo o Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae), a energia elétrica foi desligada na Estação de Bombeamento de Água Pluvial (Ebap), a pedido da concessionária CEEE Equatorial. O órgão municipal divulgou que a água tem avançado em vias como a Rua da República, a Rua José do Patrocínio, a Rua Lima e Silva, consideradas algumas das mais tradicionais da cidade.

Técnicos foram enviados ao local para avaliar as condições da casa de bombas. O objetivo é verificar se uma parte da atividade possa ser retomada. O prefeito destacou, contudo, que a situação "não se resolve de hoje para amanhã".

Acompanhe tudo sobre:Rio Grande do SulChuvasEnchentesPorto AlegreEnchentes no RS

Mais de Brasil

Chuvas no RS: nível do Guaíba deve atingir cota de inundação nesta quarta-feira, aponta IPH

Arthur Lira pauta PEC da Anistia no plenário da Câmara nesta terça-feira

Mauro Cid chega à PF e presta novo depoimento sobre caso do desvio de joias do acervo presidencial

Funai defende continuidade de ações na Terra Yanomami

Mais na Exame