Brasil

PF vai investigar tentativa de obstrução do caso Marielle após denúncias

A investigação foi aberta a pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, após receber "graves denúncias" feitas por duas testemunhas

Marielle Franco: vereadora e seu motorista, Anderson Gomes, foram assassinados há oito meses no Rio de Janeirof (Renan Olaz/CMRJ/Divulgação)

Marielle Franco: vereadora e seu motorista, Anderson Gomes, foram assassinados há oito meses no Rio de Janeirof (Renan Olaz/CMRJ/Divulgação)

A

AFP

Publicado em 1 de novembro de 2018 às 17h47.

A Polícia Federal vai investigar a existência de uma organização de "agentes públicos e milicianos" que procura obstruir o esclarecimento do assassinato há oito meses da vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes, informou nesta quinta-feira, 1, o ministro de Segurança Pública, Raul Jungmann.

A investigação foi aberta a pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, devido a "graves denúncias" feitas por duas testemunhas sobre a existência de uma "organização criminosa que envolve agentes públicos, milicianos, organizações criminosas e a contravenção".

Esse grupo pretende "impedir que se chegue aos mandantes e executores reais do duplo homicídio", afirmou Jungmann em coletiva de imprensa em Brasília.

Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes foram executados a tiros em 14 de março deste ano, no Estácio, na cidade do Rio de Janeiro. A apuração do assassinato está a cargo da Polícia Civil.

As denúncias foram colhidas nas últimas semanas e Dodge ainda pediu proteção para testemunhas, afirmou Jungmann.

Acompanhe tudo sobre:AssassinatosDireitos HumanosHomicídiosMarielle FrancoPolícia FederalRaquel DodgeRaul JungmannRio de Janeiro

Mais de Brasil

Câmara aprova projeto que cria cadastro nacional de condenados por violência contra a mulher

Comissão da Câmara aprova projeto de lei para incluir animais domésticos no Censo Demográfico

MPF busca solução para liberar 400 estrangeiros retidos no aeroporto de Guarulhos

Lula avaliará situação de Juscelino após viagem, diz Jaques Wagner

Mais na Exame