Paulo Roberto Costa, primeiro delator da Lava-Jato, morre aos 68 anos

Engenheiro foi diretor de Abastecimento da Petrobras e devolveu à estatal cerca de R$ 79 milhões
Paulo Roberto Costa: ex-diretor da Petrobras morreu nesse sábado, 13 de agosto (Ueslei Marcelino/Reuters)
Paulo Roberto Costa: ex-diretor da Petrobras morreu nesse sábado, 13 de agosto (Ueslei Marcelino/Reuters)
A
Agência O GloboPublicado em 14/08/2022 às 16:02.

Morreu aos 68 anos o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, um dos principais delatores de esquemas de corrupção da Operação Lava-Jato. A causa da morte não foi divulgada.

Costa faleceu na tarde de sábado, 13.

O engenheiro ficou nacionalmente conhecido por ter sido preso no âmbito da Lava-Jato, em 2014, e por ter sido delator de esquemas de corrupção na estatal.

Assine a EXAME e tenha acesso ilimitado às principais notícias e análises.

Conhecido como 'delator-bomba', Costa, que teria sido indicado ao cargo pelo PP, foi preso depois do doleiro Alberto Youssef, outro alvo da operação e seu parceiro de negócios.

Em acordo de delação premiada firmado com o Ministério Público Federal, Costa revelou esquemas de enriquecimento ilícito que beneficiavam políticos e confessou ter recebido subornos de empreiteiras que faziam um cartel na petroleira. O ex-executivo delatou, entre outros, o ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci, o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney.

VEJA TAMBÉM: Petrobras anuncia redução de preço do diesel em R$ 0,22, a 2ª em um mês

Deu informações que levaram a investigações, ainda, ao atual ministro da Casa Civil Ciro Nogueira (PP) e aos ex-senadores Romero Jucá (MDB-RR) e Edison Lobão (MDB-MA), além do senador Renan Calheiros (MDB-AL). Todos negaram envolvimento com irregularidades à época.

Na ocasião da assinatura do acordo com a Procuradoria, Costa renunciou a cerca de US$ 23 milhões mantidos em contas na Suíça, à época bloqueados, além de mais US$ 2,3 milhões em Cayman. Na época, o ex-diretor devolveu R$ 79 milhões à Petrobras. Os prejuízos com os esquemas de corrupção foram calculados na ocasião em R$ 1,3 bilhão.

VEJA TAMBÉM: Venda de unidades de fertilizantes da Petrobras movimenta o mercado

Os esquemas revelados pela Lava-Jato e que contaram com a participação de Costa incluíam o pagamento de propinas por empreiteiras como OAS, Odebrecht (hoje Novonor) e UTC.

Costa era paranaense, de Telêmaco Borba. Engenheiro formado pela Universidade Federal do Paraná, ingressou na Petrobras em 1977. Era servidor de carreira e, antes de assumir a diretoria de abastecimento da petroleira, cargo que ocupou entre 2004 e 2012, foi diretor da Gaspetro no fim dos anos 1990.

VEJA TAMBÉM: Comitê da ONU aponta que Moro foi parcial ao condenar Lula na Lava Jato

Anos depois de ter firmado a delação, em 2018, Costa ficou na iminência de ter seu acordo anulado a pedido do Ministério Público Federal. Costa teria omitido em sua delação um esquema que envolveria o suposto pagamento de US$ 31 milhões de propina para funcionários da Petrobras entre 2009 e 2014, sobretudo na área de compra e venda de petróleo e derivados.

De acordo com as investigações da época, as vantagens indevidas eram pagas a funcionários da gerência executiva de Marketing e Comercialização da Petrobras e subordinada à diretoria de Abastecimento, comandada por Paulo Roberto Costa. As operações eram feitas no escritório da Petrobras em Houston, nos Estados Unidos, e no centro de operações do Rio de Janeiro. Na ocasião, a defesa de Costa negou que o ex-executivo tivesse ocultado qualquer informação.