Petrobras escolhe novo Conselho de Administração nesta sexta-feira

Em Assembleia Geral Extraordinária, acionistas irão eleger um novo Conselho de Administração da companhia e o chairman, presidente do colegiado
Petrobras: conselho tem um total de 11 vagas, mas acionistas escolherão 8 (Pilar Olivares/Reuters)
Petrobras: conselho tem um total de 11 vagas, mas acionistas escolherão 8 (Pilar Olivares/Reuters)
D
Da redaçãoPublicado em 19/08/2022 às 06:05.

A Petrobras (PETR3) e (PETR4), realiza nesta sexta-feira, 19 de agosto, a Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para eleger um novo Conselho de Administração e o chairman, presidente do colegiado. Na AGE, os acionistas da estatal irão escolher os candidatos para preencher oito vagas. No total, o Conselho da companhia tem 11 vagas, mas três não foram escolhidas pelo sistema de voto múltiplo e não serão alteradas.

O governo indicou oito nomes: Gileno Barreto, Caio Andrade, Jônathas de Castro, Ricardo Alencar, Edison Garcia, Iêda Cagni, Márcio Weber e Ruy Schneider. Os nomes foram indicados pelo governo no começo de junho, junto com a indicação de Caio Paes de Andrade para presidir a Petrobras. Paes de Andrade foi eleito pelo Conselho de Administração da estatal em 27 de junho.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

Na lista do colegiado é completa ainda por Marcelo Gasparino e José João Abdalla, atuais conselheiros da estatal, que foram indicados pelos minoritários e são candidatos à reeleição. Vale destacar que os conselheiros podem ser reeleitos por até três mandatos consecutivos.

A indicação de dois nomes ao Conselho de Administração foi parar na Justiça. A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e a Anapetro (Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobras) entraram com uma ação na Justiça Federal do Rio de Janeiro contra a União e a Petrobras a fim de anular a convocação da assembleia.

Eles alegaram que Jônathas Castro e Ricardo Soriano – foram considerados, por unanimidade, inelegíveis pelo Comitê de Elegibilidade (Celeg) e pelo CA da Petrobras, devido a conflitos de interesses. Entretanto, o entendimento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) foi que o pedido para suspensão da assembleia geral extraordinária foi intempestivo e que possuía vícios e carências formais.

Desta maneira, a CVM decidiu não conhecer o pedido apresentado, e deliberou não suspender ou interromper o curso do prazo de convocação da AGE. Disse ainda que a análise realizada não abarcou eventual inelegibilidade dos candidatos.

Sob pressão

A Petrobras segue sob pressão em relação aos preços dos combustíveis. Na última segunda-feira, 15, a companhia anunciou um corte no preço da gasolina. Foi a terceira vez que a estatal anunciou uma redução após Caio Mário Paes de Andrade assumir o comando da empresa em junho. As outras duas reduções foram no mês de passado.

Além disso, no final de julho, a Petrobras informou que Conselho de Administração e o Conselho Fiscal irão fiscalizar a política de paridade de preço trimestralmente. A Petrobras publicou a informação em fato relevante salientando que o objetivo é "preservar e priorizar o resultado econômico da companhia, buscando maximizar sua geração de valor."