Brasil

Ônibus aquático é liberado, mas viação responsável é suspeita de elo com PCC

No mês passado, a Justiça havia barrado as viagens diante de possíveis riscos ambientais, a pedido do Ministério Público do Estado (MP-SP)

São Paulo: licitações de empresas de transportes estão sendo investigadas (Leandro Fonseca/Exame)

São Paulo: licitações de empresas de transportes estão sendo investigadas (Leandro Fonseca/Exame)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 16 de abril de 2024 às 09h29.

O Tribunal de Justiça de São Paulo liberou a inauguração do Aquático SP - primeiro transporte hidroviário de São Paulo, que vai operar na Represa Billings. No mês passado, a Justiça havia barrado as viagens diante de possíveis riscos ambientais, a pedido do Ministério Público do Estado (MP-SP). A decisão se deu após solicitação da SPTrans. O órgão da Prefeitura afirma ter feito estudos que comprovam a segurança para a represa. Também destacou o parecer técnico favorável da Companhia Ambiental do Estado (Cetesb).

Um dos desafios agora será a operação, uma vez que a TransWolff, empresa de ônibus que seria responsável pelo transporte, é alvo de outra investigação do MP-SP, que apura ligações com o Primeiro Comando da Capital (PCC). A Prefeitura diz que, a partir de agora, assume o sistema e "adotará as devidas medidas para iniciar a operação assistida", sem dar detalhes ou datas.

A linha de ônibus aquático ligará a região do Mar Paulista, na Pedreira, ao Cantinho do Céu, no Grajaú, com a promessa de acelerar o transporte para cerca de 385 mil moradores. O modal deve facilitar o acesso ao Terminal Santo Amaro. O veículo aquático vinha sendo testado pela gestão Ricardo Nunes (MDB) e tinha inauguração planejada para o fim de março, após sucessivos adiamentos (o prefeito chegou a prometer início das atividades entre outubro e novembro).

Sobre os eventuais danos ao ambiente, o MP-SP havia movido ação civil pública alegando falhas no licenciamento, falta de estudos suficientes sobre impactos e possíveis riscos à vida de passageiros e moradores do entorno, além da potencial disseminação de poluentes tóxicos que existem no lodo da represa. As atividades de teste, então, foram suspensas.

Na nova liminar, o relator, Nogueira Diefenthaler, afirmou que não há sinal de "dano excepcional que justificaria a paralisação do projeto-piloto". O desembargador diz ainda que a Cetesb não vislumbrou impactos ambientais representativos que justificassem a emissão de licenciamento.

PCC

A previsão inicial era de que a operação assistida do Aquático SP fosse feita pela empresa TransWolff, um dos alvos da operação Fim da Linha, feita pelo MP-SP na semana passada para investigar atividades criminosas relacionadas a empresas de transporte público na capital. A companhia é suspeita de envolvimento com o PCC. Segundo a denúncia, ela teria sido usada por Luiz Carlos Efigênio Pacheco, o "Pandora", um dos líderes da facção, para lavar R$ 54 milhões vindos das atividades criminosas do grupo.

Procurada pelo Estadão, a Transwolff informou que não se manifestará, uma vez que está sob intervenção municipal. Em entrevista ao Fantástico, da Rede Globo, anteontem, Ricardo Nunes afirmou que romperá todos os contratos com a TransWolff, entre outras empresas investigadas, caso seja comprovado o envolvimento com grupos criminosos. Pré-candidato à reeleição em outubro, ele tem no Aquático SP uma de suas principais promessas para a periferia da zona sul, área em que disputa eleitorado com o principal adversário, o deputado federal Guilherme Boulos (PSOL).

Como mostrou o Estadão em fevereiro, sete companhias foram ou estão sendo investigadas pela Polícia e pelo Ministério Público por suspeita de elo com o crime organizado. Juntas, são responsáveis por transportar 27,5% dos passageiros de ônibus da capital e receberam R$ 2 bilhões da Prefeitura de SP apenas em 2023.

Gargalo

Hoje, o deslocamento entre Cantinho do Céu e Parque Mar Paulista é feito por ônibus ou carro, contornando a Billings, em cerca de uma hora e 20 minutos. Já a travessia de barco é estimada em 17 minutos. A via urbana de contorno da represa tem 17,5 km de extensão. Atravessando por embarcação, são 5,6 km.

Segundo a Prefeitura, a operação assistida oferecerá viagens com intervalos de 30 minutos a partir das 6h, até as 20h, com possíveis alterações a partir das condições meteorológicas. Também estão sendo construídos terminais hidroviários e de ônibus, interligando a rede de transporte.

Serão dois barcos com capacidade para 60 passageiros cada (todos sentados), ar-condicionado, poltrona estofada, TV, banheiro e coletes salva-vidas em todos os bancos (incluindo modelos específicos para obesos e crianças).

O transporte poderá ser utilizado com bilhete único, com cobrança de valor igual à dos ônibus municipais (R$ 4,40) e valendo integração. No domingo, será gratuito, como na rede de ônibus da cidade.

Acompanhe tudo sobre:Ônibussao-paulo

Mais de Brasil

Tornados de menor intensidade atingem ao menos duas cidades do Rio Grande do Sul

Quais são os estados com maior ocorrência de raios no Brasil?

Sobe para 143 número de mortos devido às fortes chuvas no RS; veja serviços parados

ALERTA: Governador do RS informa que quatro rios poderão ter novas cheias neste domingo

Mais na Exame