Acompanhe:

Número de negros mortos por policiais é o triplo do de brancos

No ano passado, policiais mataram 963 pessoas brancas e mais de 3.000 negras

Modo escuro

Continua após a publicidade
Polícia militar atua na favela Paraisópolis, em São Paulo (Marcelo Camargo/ABr/Agência Brasil)

Polícia militar atua na favela Paraisópolis, em São Paulo (Marcelo Camargo/ABr/Agência Brasil)

L
Luiza Calegari

Publicado em 10 de dezembro de 2017 às, 07h00.

Última atualização em 10 de dezembro de 2017 às, 07h00.

São Paulo – A polícia matou o triplo de negros do que de brancos entre 2015 e 2016, de acordo com levantamento do Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado no começo de novembro. Os dados são uma compilação de todos os casos registrados em boletins de ocorrência nos dois últimos anos.

Foram 963 mortes de brancos contra 3.240 mortes de negros, por policiais de folga ou em serviço no ano passado. Outras 1.642 mortes foram registradas como “não identificado” e mais 51 como “outros”, totalizando 5.896 mortes causadas pela polícia.

A esmagadora maioria das pessoas mortas pela polícia é composta por  homens: são 5.769, contra 42 mulheres e 85 casos não identificados. Grande parte também é jovem: 35,5% têm entre 18 e 29 anos. Mas na maior parte dos casos o dado não foi levantado (45,6%).

Além disso, 532 menores de idade, de 12 a 17 anos, foram mortos por policiais, o que representa 9% do total.

Mortes de policiais

Por outro lado, o levantamento registrou a morte de 573 policiais, em serviço ou não, em 2015 e 2016 – cerca de um décimo, portanto, das mortes causadas por policiais.

A maioria deles também era negra (223, contra 171 brancos e 179 não identificados), mas a média de idade era maior, entre 30 e 49 anos.

Quase todos os policiais mortos eram homens: foram registradas 10 mortes de mulheres e 18 ficaram sem identificação.

2016

O Fórum de Segurança Pública também divulgou o recorte por estados das mortes causadas por policiais em 2015 e em 2016.

O estado em que a polícia mais mata é o Rio de Janeiro, como se vê na tabela abaixo. Também foi o local onde o número de mortos pela polícia mais cresceu no país.

Em seguida, aparecem São Paulo, Bahia, Pará e Paraná. Na Bahia o número de mortos pela polícia também cresceu significativamente, mas o Fórum de Segurança ressalta que os dados do estado são os menos confiáveis de todo o levantamento, porque a Secretaria de Segurança Pública do estado não respondeu ao questionário.

Estado20152016Diferença
Rio de Janeiro645925280
São Paulo83285624
Bahia354457103
Pará19328289
Paraná24626721
Goiás14120968
Rio Grande do Sul11116857
Maranhão8912738
Minas Gerais1081124
Ceará8610923
Alagoas9610812
Sergipe439451
Pernambuco447531
Rio Grande do Norte7665-11
Santa Catarina6362-1
Amapá205939
Espírito Santo255025
Amazonas33374
Piauí18279
Mato Grosso do Sul4026-14
Acre102515
Paraíba15227
Rondônia9189
Mato Grosso8157
Tocantins10155
Distrito Federal107-3
Roraima550
Total33304222892

Os pesquisadores usam duas metodologias diferentes: para os dados estaduais, são utilizadas informações fornecidas pelas secretarias; para os recortes por sexo, raça e idade, são avaliados boletins de ocorrência.

 

Últimas Notícias

Ver mais
Prefeitura anuncia plano para transformar 11% de SP em área verde e prevê indenizações
Brasil

Prefeitura anuncia plano para transformar 11% de SP em área verde e prevê indenizações

Há 7 horas

Tebet sobre precatórios: Mesmo zerando jogo para trás, há montante de R$ 88 bi a pagar em 2024
Brasil

Tebet sobre precatórios: Mesmo zerando jogo para trás, há montante de R$ 88 bi a pagar em 2024

Há 7 horas

Edital do novo concurso da Caixa com mais de 4 mil vagas sai nesta quinta-feira
Brasil

Edital do novo concurso da Caixa com mais de 4 mil vagas sai nesta quinta-feira

Há 8 horas

Morre o sociólogo Luiz Werneck Vianna, aos 86 anos
Brasil

Morre o sociólogo Luiz Werneck Vianna, aos 86 anos

Há 8 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais