Brasil

Moro proíbe Mônica Moura de fazer campanha eleitoral

A condição é uma das estabelecidas por Moro para a soltura da empresária, responsável por cuidar da parte financeira das atividades do casal


	Moro: a condição é uma das estabelecidas por Moro para a soltura da empresária, responsável por cuidar da parte financeira das atividades do casal
 (Reuters)

Moro: a condição é uma das estabelecidas por Moro para a soltura da empresária, responsável por cuidar da parte financeira das atividades do casal (Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de agosto de 2016 às 12h36.

São Paulo - Na decisão na qual mandou soltar nesta segunda-feira, 1, a marqueteira Mônica Moura, mulher e sócia de João Santana que atuou com ele nas campanhas eleitorais de Lula (2006) e Dilma (2010 e 2014) o juiz Sérgio Moro a proibiu de atuar "direta ou indiretamente, inclusive por interposta pessoa", em qualquer campanha eleitoral no Brasil "até nova deliberação do Juízo".

A condição é uma das estabelecidas por Moro para a soltura da empresária, responsável por cuidar da parte financeira das atividades do casal, que também fez campanhas em diversos países na América Latina.

Mônica também teve de pagar R$ 28,7 milhões em fiança, valor que já estava bloqueado em suas contas pela Lava Jato, entregar seu passaporte e ficou proibida de deixar o País, além de estar proibida de manter contato com outros investigados da operação.

Mônica foi presa preventivamente junto com João Santana em fevereiro, acusada de receber valores ilícitos em contas secretas no exterior e em dinheiro vivo no Brasil oriundos do esquema de corrupção na Petrobras e que teriam sido usados para bancar campanhas eleitorais nas quais o casal atuou.

Na semana passada, o casal alegou diante do juiz da Lava Jato que os US$ 4,5 milhões que receberam em uma offshore na Suíça em 2013 eram referentes a dívida de caixa 2 da campanha de Dilma em 2010.

Acompanhe tudo sobre:EleiçõesJoão SantanaPrisõesSergio Moro

Mais de Brasil

FAB encerra neste sábado recebimento de doações ao Rio Grande do Sul

Censo 2022: Brasil tem 106,8 milhões de endereços, um aumento de 19,5% em relação ao Censo anterior

Um em cada oito endereços do Brasil fica dentro de condomínios, indica Censo

Censo: quase um quarto dos endereços do Brasil não tem número; confira o ranking por estado

Mais na Exame