Brasil

Moro: Preservar PF de interferência política não é questão pessoal

Ex-ministro respondeu Bolsonaro, que afirmou tê-lo apoiado em meio ao vazamento de mensagens dele e da força-tarefa da Lava Jato

O ex-ministro da Justiça, Sergio Moro: demissão do posto de ministro do governo Bolsonaro continua repercutindo (Heitor Feitosa/Divulgação)

O ex-ministro da Justiça, Sergio Moro: demissão do posto de ministro do governo Bolsonaro continua repercutindo (Heitor Feitosa/Divulgação)

Gabriela Ruic

Gabriela Ruic

Publicado em 25 de abril de 2020 às 14h54.

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, respondeu, por meio de seu Twitter, a uma publicação do presidente na manhã deste sábado, 25, em que Jair Bolsonaro afirmou tê-lo apoiado em meio ao vazamento de mensagens dele e da força-tarefa da Operação Lava Jato.

"Sobre reclamação na rede social do Sr.Presidente quanto à suposta ingratidão:também apoiei o PR quando ele foi injustamente atacado.Mas preservar a PF de interferência política é uma questão institucional,de Estado de Direito,e não de relacionamento pessoal", afirmou Moro.

Em seu Twitter, mais cedo, o presidente publicou a mensagem: A Vaza Jato começou em junho de 2019. Foram vazamentos sistemáticos de conversas de Sérgio Moro com membros do MPF. Buscavam anular processos e acabar com a reputação do ex-juiz. Em julho, PT e PDT pediram prisão dele. Em setembro, cobravam o STF. Bolsonaro, no desfile, fez isso."

A mensagem acompanha uma imagem do presidente ao lado de Moro.

Antes, também neste sábado, Moro compartilhou uma campanha do Ministério da Justiça. "Faça a coisa certa, pelos motivos certos e do jeito certo" foi o lema de campanha de integridade que fizemos logo no início no MJSP", afirmou.

Ao anunciar a demissão do cargo, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, acusou nesta sexta-feira, 24, o presidente Jair Bolsonaro de tentar interferir politicamente no comando da Polícia Federal para obter acesso a informações sigilosas e relatórios de inteligência. "O presidente me quer fora do cargo" disse Moro, ao deixar claro que a saída foi motivada por decisão de Bolsonaro.

Em um pronunciamento de cerca de 40 minutos, o presidente Jair Bolsonaro rebateu o ex-ministro Sérgio Moro que, ao pedir demissão, o acusou de tentar interferir na Polícia Federal.

Na fala, no entanto, Bolsonaro reconheceu que quer um contato mais direto com o diretor-geral da instituição e evidenciou ter interesse pessoal em investigações da PF, como o caso da facada que sofreu em 2018.

Bolsonaro disse que, se Moro queria independência para fazer nomeações, deveria ter disputado a eleição à Presidência.

Acompanhe tudo sobre:CorrupçãoGoverno BolsonaroJair BolsonaroPolícia FederalSergio Moro

Mais de Brasil

Câmara aprova a Lei Taylor Swift, que criminaliza cambismo digital

CCJ do Senado aprova projeto que prorroga por 10 anos as cotas para negros em concurso

Pacheco adia sessão sobre vetos, governo evita derrotas, e Lira demonstra insatisfação

Rio registra queda de 25% das mortes violentas no primeiro trimestre

Mais na Exame