Acompanhe:

Marina e uma marca das eleições: a disputa pelos evangélicos

Em reaproximação com os religiosos, a presidenciável é a convidada de uma roda de debate na Primeira Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Marina Silva: Ex-ministra e ex-senadora garante que defenderá o Estado laico, apesar de sinalizar aos evangélicos (Antonio Milena/VEJA)

Marina Silva: Ex-ministra e ex-senadora garante que defenderá o Estado laico, apesar de sinalizar aos evangélicos (Antonio Milena/VEJA)

E
EXAME Hoje

Publicado em 13 de julho de 2018 às, 05h55.

Última atualização em 13 de julho de 2018 às, 07h04.

Apesar de garantir que a religião não afetará seu eventual governo, a pré-candidata da Rede Sustentabilidade, ex-ministra Marina Silva, tem encontro marcado com evangélicos nesta sexta-feira. A presidenciável é a convidada de uma roda de debate na Primeira Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo, às 20 horas. Trata-se de uma reaproximação com os religiosos, um dos grupos de apoio buscados pelos principais candidatos ao Planalto este ano.

O grupo representa hoje aproximadamente um terço da população, perdendo apenas para os católicos, que ainda ocupam fatia maior que 50% dos brasileiros. Ainda assim, a agenda de Marina é uma bola dividida com outros três candidatos, em especial. O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB), o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) e o empresário Flávio Rocha (PRB) apostam no poder dos evangélicos para alavancar votos.

As bandeiras não poderiam ser mais diferentes. Enquanto Marina fala em Estado laico, Bolsonaro e Rocha pregam a “moralização” da família. Meirelles, até aqui, tenta se mostrar como religioso e preocupado com as reivindicações de religiosas. O PRB, de Rocha,  é na teoria o partido representante máximo dos evangélicos na política, por meio da Igreja Universal do Reino de Deus. Mas, além de Marina, só Bolsonaro, hoje líder das pesquisas de intenção de voto, ganhou sinalização positiva do partido.

Os outros candidatos precisam mostrar ser capazes de aproveitar os votos evangélicos para turbinar suas campanhas. Afinal, mais do que defender as bandeiras sociais e políticas caras à religião, o que importa mesmo é conseguir votos.

No fundo, é como diz o filósofo Joel Pinheiro da Fonseca em sua coluna em EXAME. “Direita, esquerda, centro; evangélicos, católicos, ateus. Todos são campo aberto para o jogo em que os políticos são especialistas: fazer-nos acreditar que lutam por ideias quando na verdade se articulam por pessoas.” A ver que tática Marina trará para campo.

Últimas Notícias

Ver mais
Bolsonaro é internado em São Paulo e passa por bateria de exames
Brasil

Bolsonaro é internado em São Paulo e passa por bateria de exames

Há um dia

O encontro entre o produtivismo de Janet Yellen e a reindustrialização verde de Marina Silva
ESG

O encontro entre o produtivismo de Janet Yellen e a reindustrialização verde de Marina Silva

Há 2 dias

Advogados de Bolsonaro negam confissão sobre minuta de golpe
Brasil

Advogados de Bolsonaro negam confissão sobre minuta de golpe

Há 2 dias

Relator da PEC das Igrejas afirma que texto pode ser votado hoje em plenário
Brasil

Relator da PEC das Igrejas afirma que texto pode ser votado hoje em plenário

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais