Brasil

Marco temporal é inconciliável, mas solução deve ser negociada, diz AGU ao STF

Sessões estão discutindo a constitucionalidade da Lei

Sessão plenária do STF. Indígenas acompanham o julgamento do marco temporal,

 (Fellipe Sampaio /SCO/STF./Flickr)

Sessão plenária do STF. Indígenas acompanham o julgamento do marco temporal, (Fellipe Sampaio /SCO/STF./Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 11 de junho de 2024 às 07h04.

Última atualização em 11 de junho de 2024 às 07h05.

A Advocacia-Geral da União (AGU) disse ao Supremo Tribunal Federal (STF) que a tese do marco temporal para demarcação de terras indígenas é "inconciliável". Por outro lado, reconheceu a importância de uma solução negociada para o caso.

"Apesar de não ser possível, de antemão, indicar pontos passíveis de conciliação, a União reconhece que eventual conciliação poderá recair sobre os dispositivos relacionados aos aspectos patrimoniais existentes na Lei nº 14.701/2023, desde que respeitadas as teses fixadas por essa Suprema Corte", diz a petição assinada pelo ministro da AGU, Jorge Messias.

A manifestação se deu em quatro ações que discutem a constitucionalidade da lei do marco temporal, aprovada logo após o Supremo rejeitar a tese. Em abril, o relator, Gilmar Mendes, enviou o caso para conciliação e suspendeu o trâmite de todos os processos que tratam sobre o tema.

Depois de o Congresso aprovar a lei que institui o marco temporal, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vetou trechos da matéria, mas os vetos foram derrubados. Na época, a AGU cogitou acionar o Supremo, mas não ajuizou nenhuma ação. Dos quatro processos em curso, três foram ajuizados por partidos de esquerda e pedem a inconstitucionalidade da tese. Outra ação, que pede a validação da lei, é do PP, Republicanos e PL.

Acompanhe tudo sobre:Supremo Tribunal Federal (STF)

Mais de Brasil

Motorola será responsável por câmeras nos uniformes da PM de São Paulo

Comissão do Senado discute regulamentação de cigarros eletrônicos

Prefeitura de SP fixa regras de embarque para carros de aplicativo em Congonhas

Chuvas no RS: 42 dias após início da tragédia, sobe para 175 o número de mortos

Mais na Exame