Brasil

Lula cobra pedido de desculpas do governo do Equador ao México

Embaixada do México no Equador, em Quito, ocorreu no dia 5 de abril

Lula: presidente se posiciona sobre invasão da embaixada do México (Ricardo Stuckert / PR/Reprodução)

Lula: presidente se posiciona sobre invasão da embaixada do México (Ricardo Stuckert / PR/Reprodução)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 17 de abril de 2024 às 08h55.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cobrou nesta terça-feira, 16, durante uma cúpula virtual da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), um pedido de desculpas do Equador ao governo mexicano o pela invasão da Embaixada do México em Quito, no dia 5. Segundo o brasileiro, o episódio é inaceitável e perigoso para toda a região.

A invasão foi ordenada pelo governo equatoriano para prender o ex-vice-presidente do país Jorge Glas, asilado no local desde dezembro. “Medida dessa natureza nunca havia ocorrido, nem nos piores momentos de desunião e desentendimento registrados na América Latina e no Caribe. Nem mesmo nos sombrios tempos das ditaduras militares em nosso continente”, disse Lula.

O presidente também pediu que os países da região atuem para não haver episódios semelhantes e apoiou a proposta da Bolívia de formar uma comissão para acompanhar a situação de saúde de Glas enquanto os membros da Celac debatem um possível salvo-conduto para o ex-vice-presidente deixar o Equador.

O governo brasileiro, como a maioria dos países da região, rechaçou imediatamente a ação do governo equatoriano. Lula também criticou o episódio em uma conversa com o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador.

A invasão é criticada por violar o direito internacional que protege as missões e o corpo diplomático. O presidente do Equador, Daniel Noboa, justificou a ação como proteção à “segurança nacional e dignidade de um povo que rejeita qualquer tipo de impunidade” - uma referência às condenações de Glas por corrupção.

Em reação, o México cortou relações diplomáticas com o Equador e apresentou uma queixa à Corte Internacional de Justiça (CIJ), em Haia, pedindo que o país seja suspenso das Nações Unidas.

Lula elogiou o recurso do governo mexicano à CIJ e disse que a participação da Celac para a normalização da relação dos dois países é fundamental. “Absolutamente nada justifica a cena a que assistimos em Quito. Nosso desafio agora é o de encontrar caminhos para a reconstrução da confiança e do diálogo.”

O Equador invadiu a embaixada para prender Glas, procurado pela Justiça do país por crimes relacionados a corrupção, incluindo propinas da Odebrecht. A ação foi vista como um reflexo da política de Noboa, em busca de apoio interno.

Reações

Glas foi condenado em 2017 a 8 anos de prisão por participar do esquema de subornos da construtora Odebrecht e libertado em 2022 por um recurso legal. A decisão de prendê-lo de novo aconteceu após o Tribunal Constitucional do Equador ratificar decisões anteriores.

A ação, porém, ignorou o direito de inviolabilidade da embaixada. Após a prisão de Glas, ao menos 18 países da América Latina, 10 da Europa, além de EUA e Canadá, repudiaram a ação. A ONU, a Organização dos Estados Americanos (OEA), a Comunidade do Caribe (Caricom), a União Europeia e outras organizações internacionais também fizeram o mesmo.

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da SilvaMéxicoEquador

Mais de Brasil

Greve na educação: professores recusam proposta de reajuste salarial do governo

Projeto de lei sugere alteração do cálculo de renda para concessão do Bolsa Família

Porto Alegre tem sistema colapsado e precisa de bombas emprestadas para drenar enchente

Projeto que acaba com isenção de US$ 50 para compras internacionais pode ser votado nesta terça

Mais na Exame