Acompanhe:

Líder terena é baleado em Mato Grosso do Sul

Paulino da Silva Terena, 31 anos, estava saindo de casa, no Acampamento Moreira, por volta das 4h30, quando percebeu a aproximação de pessoas estranhas

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Índios Terena em celebração: comunidade terena atribuiu a produtores rurais a tentativa de homicídio
 (Wikimedia Commons)

Índios Terena em celebração: comunidade terena atribuiu a produtores rurais a tentativa de homicídio (Wikimedia Commons)

A
Alex Rodrigues

Publicado em 19 de maio de 2014 às, 13h50.

Brasília - Um dos líderes do grupo de índios terenas que reivindicam a demarcação da Terra Indígena Pillad Rebuá foi baleado na madrugada de hoje (19), em Miranda, a cerca de 200 quilômetros da capital de Mato Grosso do Sul, Campo Grande.

Paulino da Silva Terena, 31 anos, estava saindo de casa, no Acampamento Moreira, por volta das 4h30, quando percebeu a aproximação de pessoas estranhas. Outros índios ouviram gritos e chamaram reforços.

Segundo Edno Terena, um dos primeiros a chegar à casa de Paulino, os agressores, ao perceberem a chegada dos índios, se esconderam e começaram a disparar. Um dos tiros acertou a perna direita do líder terena. Outros dois projéteis atingiram o carro de Paulino.

Ainda de acordo com Edno, não foi possível identificar quantos ou quem eram os pistoleiros. Paulino foi atendido por uma ambulância do Samu e levado para o Hospital Regional de Miranda, onde a bala foi extraída.

Paulino já foi liberado e retornou para casa acompanhado de policiais civis. De acordo com o delegado de Miranda, Luís Alberto Ojeda, foi registrado um boletim de ocorrência por tentativa de homicídio. "Estamos procurando esclarecer as circunstâncias do episódio". Procurada pela Agência Brasil, a Fundação Nacional do Índio (Funai) informou ainda estar apurando a ocorrência.

Esta não é a primeira vez que Paulino é alvo de um atentado. Em dezembro de 2013, homens encapuzados atearam fogo ao carro do líder indígena. Paulino estava dentro do carro e sofreu algumas queimaduras.

A comunidade terena atribuiu a produtores rurais a tentativa de homicídio. A Polícia Federal apura o caso e de acordo com Edno, passados cinco meses, a ocorrência ainda não foi esclarecida: “há suspeitos, mas ninguém está respondendo por isso”.

O processo de demarcação da Terra Indígena Pillad Rebuá se arrasta há mais de um século. O primeiro registro de reconhecimento, pelo Estado, de que os 10,4 mil hectares reivindicados se trata de território tradicional terena datam de 1904.

O processo de identificação da área sempre foi questionado por produtores rurais que alegam ter recebido a titularidade da área do próprio Estado. Ainda assim, um processo de demarcação foi iniciado em 1950, mas não concluído devido a processos judiciais.

Cansados de esperar por uma definição, um grupo de terenas ocupou, no final do ano passado, parte da área. De acordo com Edno, só no Acampamento Moreira há, hoje, cerca de 100 famílias vivendo em uma área de aproximadamente 12 hectares.

Últimas Notícias

Ver mais
Marco temporal: PGR defende no STF inconstitucionalidade de lei aprovada pelo Congresso
Brasil

Marco temporal: PGR defende no STF inconstitucionalidade de lei aprovada pelo Congresso

Há 12 horas

Ondjango: o que uma prática ancestral angolana nos ensina sobre colaboração e senso de comunidade
ESG

Ondjango: o que uma prática ancestral angolana nos ensina sobre colaboração e senso de comunidade

Há 17 horas

Governo contesta no STF leis que facilitam porte de arma no Rio Grande do Sul e no Paraná
Brasil

Governo contesta no STF leis que facilitam porte de arma no Rio Grande do Sul e no Paraná

Há um dia

STF decide que Estado é responsável por mortes causadas por balas perdidas em operações policiais
Brasil

STF decide que Estado é responsável por mortes causadas por balas perdidas em operações policiais

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais