Brasil

Governo busca alternativa para emendas parlamentares sem 'sacrificar' Bolsa Família, diz Costa

Lula cortou R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão, uma das modalidades de indicação dos congressistas; parlamentares ameaçam derrubar a decisão do presidente

Ao sancionar a Lei Orçamentária Anual (LOA), no mês passado, Lula cortou R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão (José Cruz/Agência Brasil)

Ao sancionar a Lei Orçamentária Anual (LOA), no mês passado, Lula cortou R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão (José Cruz/Agência Brasil)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 26 de fevereiro de 2024 às 14h27.

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, afirmou nesta segunda-feira que o governo ainda está buscando uma alternativa para recompor os R$ 5,6 bilhões de emendas de comissão que foram vetados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao sancionar a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2024.

Costa justificou que o valor foi retirado de "funções sociais" importante, como o Bolsa Família e o Vale Gás, e que o Palácio do Planalto está buscando um meio de "atender as demandas" sem "sacrificar" os gastos essenciais do governo.

"Estamos dialogando (…) Para você acrescentar R$ 5 bilhões você precisa tirar de algum lugar. Foi tirado do vale gás, Bolsa Família, Universidades. Tem lugares que tirou 20% do orçamento de manutenção daquilo. Ou seja, aquele órgão ou aquela escola ou universidade não funcionará o ano inteiro se o valor fosse (sic) mantido. Por isso que houve o veto e estamos buscando alternativas de atender as demandas solicitadas sem sacrificar eventualmente o funcionamento de órgãos tão essenciais ou de funções sociais tão importante, como o Vale Gás, o Bolsa Família".

Lei Orçamentária Anual

Ao sancionar a Lei Orçamentária Anual (LOA), no mês passado, Lula cortou R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão, uma das modalidades de indicação dos congressistas. Parlamentares ameaçam derrubar a decisão do presidente para recompor os valores.

Em outra ocasião, Costa já havia afirmado que não há "polêmica" sobre o veto do presidente Lula e que o acordo feito com o presidente da Câmara, Arthur Lira, foi o de incorporar R$ 11 bilhões em emendas de comissão, ressaltando que "o que foi colocado além disso não faz parte do acordo". O Congresso tinha aprovado R$ 16,7 bilhões em emendas de comissão.

Recentemente, Lira cortou relações com o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha. Nesse cenário, Rui Costa se tornou um dos principais interlocutores de Lira com o Palácio do Planalto.

Na semana passada, o governo federal decidiu cumprir o calendário de pagamento de emendas previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024, após a medida ter sido vetada pelo presidente Lula em meio a tensão com o Congresso pelo controle do orçamento.

O acordo foi fechado em uma reunião com o ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha. As emendas devem ser pagas até 30 de junho e representam um valor de R$ 14,5 bilhões para as áreas de saúde e assistência social.

Acompanhe tudo sobre:Rui CostaLuiz Inácio Lula da SilvaGoverno LulaBolsa famíliaAlexandre Padilha

Mais de Brasil

Governo federal libera mais R$ 1,8 bilhão para ações de apoio ao RS

Prefeitura de Porto Alegre fecha comportas do Cais Mauá para barrar água do Guaíba

PT concorda com revisão de benefícios fiscais, mas critica Tarcísio por aumento para 2025

Onda de frio: temperatura terá queda brusca no Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Norte a partir de sexta

Mais na Exame