Acompanhe:

GCM monitora 22 "minicracolândias" após operação, diz secretário

A maioria dos dependentes químicos estão na Praça Princesa Isabel, mas muitos estão espalhados por outras regiões da Luz, Santa Ifigênia e Santa Cecília

Modo escuro

Continua após a publicidade
GCM: Pesaro reafirmou que a dispersão dos usuários facilita a abordagem de agentes públicos (Paulo Whitaker/Reuters)

GCM: Pesaro reafirmou que a dispersão dos usuários facilita a abordagem de agentes públicos (Paulo Whitaker/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 25 de maio de 2017 às, 16h23.

Última atualização em 26 de maio de 2017 às, 11h33.

A Guarda Civil Metropolitana (GCM) identificou 22 pontos que reúnem usuários de drogas no centro de São Paulo formados após a operação policial realizada na Cracolândia no domingo, 21.

Segundo o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, a principal concentração dos dependentes químicos ocorre na Praça Princesa Isabel, embora os focos se espalhem por outras regiões da Luz, da Santa Ifigênia e de Santa Cecília - próximas ao local onde ficava a Cracolândia.

Em coletiva de imprensa, Pesaro afirmou que a internação compulsória de usuários de drogas não será empregada - embora a Prefeitura tenha pedido autorização na Justiça para realizar internações forçadas.

"Nós não achamos necessário: a legislação já prevê a questão da internação compulsória ou voluntária. Nós já temos legislação para isso e sabemos qual é o caminho. A internação compulsória é algo que só existe na medida que é individual e depende da avaliação de cada um, de cada dependente químico. Ela não pode ser a estratégia, e ela não será a estratégia", destacou.

"Nós vamos continuar trabalhando no programa Recomeço como estávamos, trabalhando permanentemente com a Prefeitura, com a abordagem, o convencimento, a criação de vínculos para o tratamento", disse.

Ele reafirmou que a dispersão dos usuários facilita a abordagem de agentes públicos.

"O fluxo favorece o tráfico. É simples assim. É mais fácil você aprisionar em um único local."

Segundo Pesaro, a cada 10 pessoas abordadas por agentes das secretarias da Saúde e de Desenvolvimento Social, seis aceitam receber algum tipo de tratamento ou encaminhamento.

Pesaro comentou, ainda, que a pasta está aberta para diálogo "o tempo todo".

"É uma ação de fôlego, uma ação que requer muita intensidade, muita persistência, muita frequência. Mas nós vamos dar aquilo que é preciso naquele local, que é assistência médica e social", comenta.

Últimas Notícias

Ver mais
'Não vamos permitir invasões em São Paulo', diz Tarcísio sobre 'abril vermelho' do MST
Brasil

'Não vamos permitir invasões em São Paulo', diz Tarcísio sobre 'abril vermelho' do MST

Há 4 horas

Mais avenidas de SP terão a Faixa Azul para motos; veja a lista
Brasil

Mais avenidas de SP terão a Faixa Azul para motos; veja a lista

Há 8 horas

Governo pede que CNJ regulamente nova lei das “saidinhas”
Brasil

Governo pede que CNJ regulamente nova lei das “saidinhas”

Há 8 horas

Nunes diz que romperá contrato com empresas de ônibus se ficar provada ligação com PCC
Brasil

Nunes diz que romperá contrato com empresas de ônibus se ficar provada ligação com PCC

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais