Brasil

G20: em segundo discurso do dia, Lula enfatiza desigualdade e combate à fome

Está previsto mais um discurso na cerimônia de encerramento do evento, quando receberá a transmissão da presidência rotativa do G20 da Índia de forma simbólica

Lula: fala ocorreu durante a segunda sessão do evento realizado em Nova Délhi, com o título "Uma família" (Ricardo Stuckert/PR/Flickr)

Lula: fala ocorreu durante a segunda sessão do evento realizado em Nova Délhi, com o título "Uma família" (Ricardo Stuckert/PR/Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 9 de setembro de 2023 às 10h23.

Última atualização em 9 de setembro de 2023 às 10h23.

Em seu segundo discurso do dia durante a cúpula de líderes do grupo das 20 maiores economias do globo (G20), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva enfatizou a desigualdade e a necessidade de combate à fome, como já era aguardado. "Lançaremos, em nossa presidência do G20, uma Aliança Global contra a Fome", adiantou.

A fala ocorreu durante a segunda sessão do evento realizado em Nova Délhi, com o título "Uma família". Está prevista mais um discurso do chefe do Executivo amanhã, na cerimônia de encerramento do evento, quando receberá a transmissão da presidência rotativa do G20 da Índia de forma simbólica.

O que disse Lula?

Extrapolando as ações internas para o G20, Lula disse que "é preciso colocar os pobres no orçamento público e fazer os mais ricos pagarem impostos proporcionais aos seus patrimônios". O chefe do Executivo citou que a renda dos mais ricos passou de 18 vezes para 38 vezes a dos mais pobres em dois séculos.

Também salientou que os 10% mais ricos detêm 76% da riqueza do planeta, enquanto os 50% mais pobres possuem apenas 2%. "Apesar de todos os esforços, nossa família está cada vez mais desunida. O que nos divide tem nome: é a desigualdade, e ela não para de crescer", afirmou.

O mandatário brasileiro continuou dizendo que, conforme as Nações Unidas, no ritmo atual, cerca de 84 milhões de crianças ainda estarão fora da escola até 2030 e que, segundo a FAO, a fome afeta mais de 700 milhões de pessoas em todo o mundo. "O mundo desaprendeu a se indignar e normalizou o inaceitável", considerou. "A crença de que o crescimento econômico, por si só, reduziria as disparidades se provou falsa. Os recursos não chegaram nas mãos dos mais vulneráveis." Lula citou ainda a discriminação contra mulheres, minorias raciais, LGBTQI+ e pessoas com deficiência.

Sobre as instituições financeiras internacionais, uma bandeira do brasileiro que será levada para a presidência no ano que vem, a intenção é a de que sejam reformuladas. "Esses organismos devem funcionar a serviço do desenvolvimento, em vez de agravar o endividamento", afirmou.

LEIA TAMBÉM:

G20: Lula cita ciclone no RS e cobra dívida de países ricos para combater aquecimento global

União Africana é o mais novo membro do G20

Acompanhe tudo sobre:G20Luiz Inácio Lula da SilvaGoverno Lula

Mais de Brasil

Câmara aprova projeto que cria cadastro nacional de condenados por violência contra a mulher

Comissão da Câmara aprova projeto de lei para incluir animais domésticos no Censo Demográfico

MPF busca solução para liberar 400 estrangeiros retidos no aeroporto de Guarulhos

Lula avaliará situação de Juscelino após viagem, diz Jaques Wagner

Mais na Exame