EXAME/IDEIA: 70% acham que invasores dos três Poderes devem ser severamente punidos

A pesquisa EXAME/IDEIA ouviu 1,5 mil pessoas de todo o Brasil, por telefone, entre os dias 10 e 13 de janeiro

Praça dos Três Poderes: prédios foram invadidos no dia 8 de janeiro (Joedson Alves/Anadolu Agency via/Getty Images)

Praça dos Três Poderes: prédios foram invadidos no dia 8 de janeiro (Joedson Alves/Anadolu Agency via/Getty Images)

GG

Gilson Garrett Jr

Publicado em 20 de janeiro de 2023 às 15h35.

Última atualização em 20 de janeiro de 2023 às 17h45.

Pesquisa exclusiva EXAME/IDEIA, publicada na última edição da revista EXAME, mostra que 70% do país acredita que os responsáveis pela invasão dos prédios do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal e do Palácio do Planalto, no dia 8 de janeiro em Brasília, devem ser severamente punidos.

Número semelhante de brasileiros avalia que o Exército e as polícias militares agiram corretamente ao desmontar os acampamentos, e que o presidente Lula definiu corretamente como “vândalos” aqueles que invadiram a Praça dos Três Poderes. Trata-se de uma coesão significativa diante de uma sociedade abertamente dividida.

Quando questionados sobre como classificariam as pessoas que participaram dos atos, 27% dos entrevistados responderam “terroristas” — uma qualificação disputada jurídica e politicamente. Outros 24% chamaram de “vândalos”; e 13%, de “manifestantes”.

“É importante ver que 9% dos entre­vistados definem os participantes como ‘patriotas’. Para ter uma ideia, 9% da população brasileira equivale a quase um Chile. Existe um núcleo extremista radicalizado, não obrigatoriamente bolsonarista, mas atuante e vivo em nosso país”, diz Cila Schulman, presidente do IDEIA.

LEIA TAMBÉM: "Realidade deixada pelo governo anterior é assustadora”, diz Simone Tebet

Para a sondagem, foram ouvidas 1,5 mil pessoas de todo o Brasil, por telefone, entre os dias 10 e 13 de janeiro. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança de 95%. A EXAME/IDEIA é um projeto que une EXAME e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública.

Olhar para a frente

O episódio na capital federal abriu para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a chance de consolidar um elo potencialmente muito mais forte do que a “frente ampla” formada nas eleições de 2022. Esse rearranjo das forças políticas pode auxiliar a retomada da economia, que segue em compasso de espera. Algumas sinalizações animaram os observadores, como a equipe formada pela ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, e as medidas para a redução do rombo nas contas públicas anunciadas pelo ministro da Fazenda, Fernando ­Haddad.

Aguardado ansiosamente, o pacote de Haddad — que, segundo ele, é apenas um primeiro passo — animou por mostrar apetite pela responsabilidade fiscal por meio do aumento das receitas da União. Mas deixa dúvidas sobre sua viabilidade diante da indefinição sobre os — necessários — cortes de gastos.

(Arte/Exame)

“Os acontecimentos de Brasília demonstram que as instituições democráticas brasileiras são fortes o suficiente para enfrentar os temporais que teimam em rondar o nosso horizonte”, diz Tebet à EXAME. “Juntos, por meio de parcerias público-privadas, teremos resultados positivos para todos os brasileiros.”

LEIA TAMBÉM: Como será o governo – e a economia brasileira – após o 8 de janeiro?

Brasileiro cauteloso com a economia

A pesquisa EXAME/IDEIA mostra ainda que temas ligados à economia seguem como prioridade para a população: 14% acham que o maior problema do país é o desemprego, e outros 12% acreditam ser a miséria/fome. A corrupção é o principal desafio que o governo Lula enfrentará neste ano, na opinião de 18% dos brasileiros.

Os números apontam que os brasileiros estão cautelosamente esperançosos: só 24% se dizem “pessimistas” sobre sua vida em 2023 e, na mesma linha, só 25% acham que a economia “vai piorar”. O restante está ou indiferente ou, caso da maior parte, apostando que haverá melhoras.

“Apesar do quadro de insegurança sobre as propostas do novo governo na economia, o eleitor está otimista. Há, portanto, uma janela de oportunidade para manter essa boa onda”, diz Cila Schulman.

(Arte/Exame)

Avaliação dos primeiros dias do governo Lula

A EXAME/IDEIA é a primeira pesquisa divulgada desde que o petista assumiu como chefe do Poder Executivo no dia 1º de janeiro. Para 41% dos brasileiros, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é considerado ótimo ou bom — 28% o avaliam como ruim ou péssimo. Outros 18% classificam como regular.

A título de comparação, a primeira pesquisa do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), divulgada no dia 10 de janeiro de 2019, os brasileiros que consideravam o governo como ótimo ou bom somavam 50%, e aqueles que achavam ruim ou péssimo eram 22%. Quem avaliava o trabalho do ex-presidente como regular totalizava 28%.

Para a sondagem, foram ouvidas 1,5 mil pessoas de todo o Brasil, por telefone, entre os dias 10 e 13 de janeiro. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança de 95%. A EXAME/IDEIA é um projeto que une EXAME e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública.

Cila Schulman, presidente do Instituto IDEIA, destaca que na eleição de 2018 Bolsonaro teve uma vitória com 55,54% dos votos válidos, enquanto Lula saiu vitorioso do pleito com margem apertada, de 50,9% dos votos válidos. “A pesquisa mostra um país amplamente dividido, que não superou as diferenças da eleição. A polarização continua firme, com eleitores de Lula e Bolsonaro em posições opostas”, afirma.

(Arte/Exame)

LEIA TAMBÉM

yt thumbnail

 

Mais de Brasil

Conflitos por terra batem recorde no Brasil no primeiro ano do governo Lula

Cármen Lúcia mantém condenação de Deltan por Power Point contra Lula

Risco fiscal está 'drenando oportunidades' do Brasil, diz Tarcísio

Fluxo de passageiros para o exterior cresce pelo 24º mês seguido mostra Anac

Mais na Exame