Brasil

Entenda o plano do novo governo para manter o Auxílio Brasil de R$ 600 em 2023

Mesmo se receber o aval de Lula, proposta que flexibiliza teto de gastos no ano que vem ainda precisará ser aprovada pelo Congresso Nacional

Vista do Congresso Nacional em Brasília (Andressa Anholete/Getty Images)

Vista do Congresso Nacional em Brasília (Andressa Anholete/Getty Images)

AA

Alessandra Azevedo

Publicado em 3 de novembro de 2022 às 18h04.

Última atualização em 3 de novembro de 2022 às 18h49.

O primeiro desafio do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) será acomodar as promessas de governo no Orçamento de 2023. A equipe de transição, coordenada por Geraldo Alckmin (PSB), já começou a discutir a estratégia que será adotada para manter o Auxílio Brasil em R$ 600, retomar os investimentos no programa Farmácia Popular e garantir o aumento real do salário-mínimo, entre outras ações propostas.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Nesta quinta-feira, 3, Alckmin se encontrou com o relator-geral do Orçamento de 2023, senador Marcelo Castro (MDB-PI), e com parlamentares do PT para conversar sobre as mudanças que precisarão ser feitas no projeto de diretrizes orçamentárias enviado pelo governo Bolsonaro em agosto

Após a reunião, Castro informou que a ideia é apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) ao Congresso, para permitir que despesas consideradas urgentes sejam retiradas do teto de gastos, regra constitucional que limita o aumento das despesas públicas à inflação do ano anterior. 

Seria uma espécie de “licença para gastar”, mas apenas para 2023 e com o objetivo específico de bancar despesas consideradas inadiáveis, como o auxílio de R$ 600, além de serviços e outras obras que não foram detalhadas. Não é, ainda, uma proposta de acabar definitivamente com a âncora fiscal. 

Governo Bolsonaro propôs auxílio de R$ 405

A principal preocupação da equipe do novo governo, segundo Alckmin, “é manter o Bolsa Família de R$ 600, para pagá-lo em janeiro”. Castro afirmou que “seria inconcebível” que os beneficiários recebessem apenas R$ 405 mensais no ano que vem, valor previsto na proposta orçamentária do governo atual

Ao enviar o projeto de Orçamento, em agosto, a equipe de Bolsonaro disse que tomaria medidas para possibilitar o aumento do benefício. Mas, oficialmente, os R$ 600 estão garantidos apenas até 31 de dezembro de 2022, a não ser que o Congresso aprove mudanças.

Castro observou que o Orçamento proposto pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) também não prevê recursos suficientes para o Farmácia Popular, para merenda escolar e para saúde indígena. O valor que será necessário para manter os programas será definido na semana que vem. 

Próximos passos

A ideia será apresentada a Lula na segunda-feira, 7. Se receber o aval do presidente eleito, a proposta ainda precisará ser aprovada pelo Congresso Nacional. Alckmin se encontrará com o presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), deputado Celso Sabino (União Brasil-PA), para discutir o assunto na terça-feira, 8, às 10h.

No mesmo dia, o vice-presidente eleito voltará a se reunir com Marcelo Castro e outros parlamentares para acertar os detalhes do texto. Os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), também serão consultados no início da semana que vem. 

Para ser aprovada, uma PEC precisa dos votos favoráveis de três quintos dos deputados e dos senadores, em duas rodadas de votação em cada Casa. Ou seja, é necessário o apoio de 308 deputados e 49 senadores. “Há necessidade de, até 15 de dezembro, termos a autorização”, disse Alckmin. 

O ex-ministro Aloízio Mercadante, que também integrará a equipe de transição de governo, explicou que, como a folha de pagamentos de janeiro do Auxílio Brasil roda em dezembro, o Congresso precisa aprovar a proposta o mais rápido possível. A PEC deve tramitar ao mesmo tempo que o Orçamento do ano que vem.

O valor extra necessário para financiar cada programa será incluído no projeto de Lei Orçamentária de 2023. O papel da PEC da Transição será criar a situação de excepcionalidade para que os valores sejam pagos, como o que foi feito na época da aprovação da PEC dos Precatórios.

Não será a primeira vez que o teto de gastos será furado. Desde 2019, cinco emendas constitucionais permitiram que o governo federal gastassem além do limite previsto. Segundo levantamento publicado pela Instituição Fiscal Independente (IFI) em agosto, o governo Bolsonaro estourou o teto em R$ 213 bilhões nesse período.

LEIA TAMBÉM: 

 

Acompanhe tudo sobre:Auxílio BrasilBolsa famíliaCongressoGeraldo AlckminLuiz Inácio Lula da SilvaOrçamento federal

Mais de Brasil

Câmara aprova projeto que cria cadastro nacional de condenados por violência contra a mulher

Comissão da Câmara aprova projeto de lei para incluir animais domésticos no Censo Demográfico

MPF busca solução para liberar 400 estrangeiros retidos no aeroporto de Guarulhos

Lula avaliará situação de Juscelino após viagem, diz Jaques Wagner

Mais na Exame