Brasil

Em Porto Alegre, moradores correm para sair de casa por risco em dique: 'Tentando carona'

A capital gaúcha enfrenta problemas de abastecimento de energia elétrica e de água, tem acessos bloqueados e as operações do Aeroporto Salgado Filho foram suspensas

 (Giulian Serafim / PMPA/Divulgação)

(Giulian Serafim / PMPA/Divulgação)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 4 de maio de 2024 às 17h40.

Tudo sobrePorto Alegre
Saiba mais

Um dique no bairro Sarandi, na zona norte de Porto Alegre, começou a transbordar na manhã de sábado, 4. O vazamento da estrutura, responsável por represar o Rio Gravataí, fez as autoridades recomendarem a evacuação da região e os moradores correrem para deixar o local. A capital gaúcha enfrenta problemas de abastecimento de energia elétrica e de água, tem acessos bloqueados e as operações do Aeroporto Salgado Filho foram suspensas.

Logo no início da manhã, o prefeito Sebastião Melo (MDB) pediu à população para deixar o local o mais rápido possível. O alerta é destinado, em especial, a moradores das proximidades da Federação das Indústrias e Comércio do Rio Grande do Sul (Fiergs), e vilas Asa Branca, Minuano, Elizabeth, Nova Brasília e Santo Agostinho.

"Hoje pela manhã começou o vazamento por cima do dique. Por isso, eu quero convidá-los a aceitar, a sair de suas residências e vir para os abrigos da prefeitura, porque bens materiais, a gente pode perder, a vida não volta mais'', apelou Melo nas redes sociais.

O prefeito pediu também aos moradores das áreas vizinhas à Arena do Grêmio, na zona norte da capital, que deixem suas residências devido à inundação do Lago Guaíba, que superou o nível de 5 metros (a cota de inundação é de 3 metros).

Moradora da Vila Agostinho, Marlene Vargas, de 57 anos, já estava em frente a sua casa no fim da manhã, à espera do marido, para levar os móveis e outros pertences para casa de familiares. A água, que transbordava do dique, já chegava às canelas da porto-alegrense.

"A Defesa Civil nos orientou a evacuar de imediato. Estou esperando meu esposo para pegar as coisas, os cachorros, e procurar um lugar seguro. Infelizmente temos de sair. Logo vão desligar a luz, cortar a água, e vai ficar impossível ficar em casa com tudo alagado'', disse ela, que vive com a mãe idosa.

Não muito longe da residência de Marlene, estava o comerciante, Felipe da Silva, de 26 anos. O jovem observava os trabalhos da equipe da prefeitura para conter o rápido vazamento d'água do dique, que já começava a alagar ruas do entorno. Felipe vive com os pais na Vila Agostinho.

"Levantamos tudo o que dava em casa: móveis, utensílios domésticos, etc (para evitar que molhem quando a água invadir os imóveis). Estamos tentando uma carona para levar a gente com outras coisas, pertences pessoais, roupas, para um bairro mais alto, como o Rubem Berta, mais seguro e distante daqui", conta.

"A água está subindo cada vez mais e o dique não vai segurar'', afirmou Silva, que diz nunca ter visto uma tragédia desse tipo na cidade. Os dados corroboram a impressão do comerciante: a cheia em Porto Alegre superou a inundação histórica de 1941 e o Rio Grande do Sul enfrenta seu pior desastre climático. Até a tarde deste sábado, há confirmação de 57 mortos e 67 desaparecidos em todo o Estado.

Acompanhe tudo sobre:Porto AlegreRio Grande do SulChuvas

Mais de Brasil

Governo de SP confirma Equatorial como investidora estratégica da Sabesp

Moraes determina que PGR se manifeste sobre norma do CFM que restringia aborto legal

Tramonte lidera as intenções de voto para prefeitura de BH, aponta pesquisa Quaest

Quando volta o calor em São Paulo? Veja o que mostra previsão do tempo

Mais na Exame