Acompanhe:

A delegação brasileira criticou nesta terça-feira, 20, a ocupação "ilegal e inaceitável" de territórios palestinos por Israel durante uma audiência na Corte Internacional de Justiça (CIJ), em Haia, no âmbito de um processo anterior à guerra em Gaza que analisa o conflito israelense-palestino, em especial a expansão de assentamentos judeus na Cisjordânia.

A CIJ, autoridade judicial máxima das Nações Unidas, tem convocado diversos países para opinarem sobre a ocupação israelense em territórios palestinos — política impulsionada pelo governo de extrema direita do premier Benjamin Netanyahu. A ação desta terça é diferente do processo de genocídio movido pela África do Sul no mesmo tribunal sobre as supostas violações cometidas em Gaza.

Segundo a delegação brasileira, as ocupações são equiparáveis a uma anexação ilegal e não devem ser "normalizadas pela comunidade internacional".

— Israel deve colocar o fim da ocupação da Palestina — defendeu a delegação brasileira durante a audiência, alegando que o posicionamento da corte é essencial para que "todos saibam" as consequências legais de ações como a que estão sendo tomadas por Israel.

As duras críticas feitas pelo Itamaraty na CIJ acontecem em meio a uma grave crise diplomática entre Brasil e Israel, iniciada após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva comparar a ofensiva israelense em Gaza com o Holocausto. O presidente Lula foi considerado como persona non grata no Estado judeu, e ambos os países convocaram seus embaixadores para esclarecimentos.

Na esteira das recentes críticas do mandatário brasileiro, o Itamaraty reforçou que as ações no enclave palestino, em resposta ao ataque terrorista do Hamas, são "desproporcionais e discriminatórias".

— A ocupação viola o direito do povo palestino por autodeterminação — afirmou a delegação brasileira.

Além do Brasil, outros 10 países também apresentaram seus argumentos na audiência desta terça-feira. Até 26 de fevereiro, outras 52 nações se posicionarão sobre o conflito, que se arrasta há décadas. A previsão é que o tribunal delibere sua decisão nos próximos meses.

Desde o início da guerra, em 7 de outubro, 29 mil palestinos e 1,2 mil israelenses morreram.

Apesar de ser o maior tribunal internacional para julgar conflitos entre Estados, a CIJ não pode fazer uso da força para que as suas decisões sejam cumpridas. O Conselho de Segurança da ONU, onde Israel conta com o apoio dos EUA, é o único órgão com tal atribuição.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
MDIC anuncia empresas selecionadas para programa de mobilidade verde
ESG

MDIC anuncia empresas selecionadas para programa de mobilidade verde

Há 7 horas

Mesmo com orientação da ONU, Reino Unido diz que não suspenderá venda de armas a Israel
Mundo

Mesmo com orientação da ONU, Reino Unido diz que não suspenderá venda de armas a Israel

Há 9 horas

Sem citar Musk, Lula diz que há 'bilionário fazendo foguete' que terá de 'aprender a viver aqui'
Brasil

Sem citar Musk, Lula diz que há 'bilionário fazendo foguete' que terá de 'aprender a viver aqui'

Há 15 horas

Lula reclama do alto preço das passagens aéreas em meio à indefinição do 'Voa Brasil'
Brasil

Lula reclama do alto preço das passagens aéreas em meio à indefinição do 'Voa Brasil'

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais