Brasil

Doria acha inaceitável fala de Bolsonaro sobre pai de presidente da OAB

Governador de São Paulo declarou ser filho de um deputado cassado pela ditadura, que foi para o exílio e "perdeu quase tudo durante esse período"

Doria: governador disse que declaração de Bolsonaro foi "infeliz" (Valter Campanato/Agência Brasil)

Doria: governador disse que declaração de Bolsonaro foi "infeliz" (Valter Campanato/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 29 de julho de 2019 às 18h18.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), reagiu às declarações dadas hoje pelo presidente Jair Bolsonaro, sobre o pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, desaparecido durante a ditadura militar.

"Sou filho de um deputado cassado pela ditadura, que foi para o exílio e perdeu quase tudo durante esse período. Inaceitável. Foi uma declaração infeliz do presidente Bolsonaro", afirmou Doria durante coletiva de apresentação de um investimento de R$ 7 bilhões feito pela Bracell para expansão de sua fábrica no interior do Estado.

O pai do governador, João Agripino da Costa Doria Neto, foi eleito deputado suplente e assumiu uma cadeira na Câmara em 1963. Por ter sido apoiador do então presidente João Goulart, foi colocado na lista de punições do Ato Institucional Nº 1 em 1964, e teve seu mandato cassado. Se exilou em Paris e retornou ao Brasil em 1974.

Mais cedo, o presidente afirmou que pode "contar a verdade" sobre como o pai de Felipe Santa Cruz desapareceu na ditadura militar. "Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade", disse Bolsonaro a jornalistas.

Acompanhe tudo sobre:DitaduraJair BolsonaroJoão Doria JúniorOAB

Mais de Brasil

MPF busca solução para liberar 400 estrangeiros retidos no aeroporto de Guarulhos

Lula avaliará situação de Juscelino após viagem, diz Jaques Wagner

Câmara aprova mudança no regimento que permite afastamento temporário de deputado

Câmara aprova urgência para projeto que equipara aborto após 22ª semana a homicídio

Mais na Exame