Acompanhe:

Dívida Pública Federal cai 3,02% e fecha setembro em R$ 6,075 trilhões

A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 54,68 bilhões no mês passado, enquanto houve um resgate líquido de R$ 244,20 bilhões

Modo escuro

Continua após a publicidade
Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 1,82% maior no mês, somando R$ 241,78 bilhões ao fim de setembro (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 1,82% maior no mês, somando R$ 241,78 bilhões ao fim de setembro (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) caiu 3,02% em setembro e fechou o mês em R$ 6,075 trilhões. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 25, pelo Tesouro Nacional. Em agosto, o estoque estava em R$ 6,265 trilhões.

A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 54,68 bilhões no mês passado, enquanto houve um resgate líquido de R$ 244,20 bilhões.

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) recuou 3,22% em setembro e fechou o mês em R$ 5,834 trilhões.

Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 1,82% maior no mês, somando R$ 241,78 bilhões ao fim de setembro.

Parcela de títulos

Com o ciclo de queda da taxa básica de juro, atualmente em 12,75% ao ano, a parcela de títulos da DPF atrelados à Selic caiu em setembro, para 38,58%. Em agosto, estava em 41,39%. Já os papéis prefixados aumentaram a fatia de 25,00% para 26,39%.

Os títulos remunerados pela inflação subiram para 30,81% do estoque da DPF em setembro, ante 29,61% em agosto. Os papéis cambiais oscilaram a participação na DPF de 4,00% para 4,21% no mês passado.

O Tesouro informou ainda que parcela da DPF a vencer em 12 meses apresentou queda, passando de 21,53% em agosto para 20,65% em setembro.

O prazo médio da dívida teve elevação de 4,00 anos para 4,14 anos na mesma comparação. Já o custo médio acumulado em 12 meses da DPF subiu de 10,53% ao ano para 10,58% a.a. no mês passado.

Participações

A participação dos investidores estrangeiros no total da Dívida Pública subiu em setembro. De acordo com dados divulgados pelo Tesouro Nacional, a parcela dos investidores não residentes no Brasil no estoque da DPMFi passou de 9,25% em agosto para 9,94% no mês passado.

No fim de 2022, a fatia estava em 9,36%. O estoque de papéis nas mãos dos estrangeiros somou R$ 580,01 bilhões em setembro, ante R$ 557,82 bilhões em agosto.

A maior participação no estoque da DPMFi continuou com as instituições financeiras, com 28,55% em setembro, ante 28,96% em agosto. A parcela dos fundos de investimentos passou de 24,90% para 23,40% no mês passado. Na sequência, o grupo Previdência passou de uma participação de 22,63% para 23,11% de um mês para o outro. Já as seguradoras passaram de 3,93% para 4,19% na mesma comparação.

'Colchão da dívida'

O Tesouro Nacional encerrou setembro com R$ 810,31 bilhões no chamado "colchão da dívida", a reserva de liquidez feita para honrar compromissos com investidores que compram os títulos brasileiros. O valor observado é 20,91% menor em termos nominais que os R$ 1,024 trilhão que estavam na reserva em agosto.

O montante ainda é 21,43% menor que o observado em setembro de 2022 (R$ 1,031 trilhão).

O valor serve de termômetro para saber se o País tem recursos para pagar seus investidores ou precisará recorrer rapidamente ao mercado para reforçar o caixa.

Mesmo com a redução nominal, o montante de setembro era suficiente para cobrir 9,50 meses de pagamentos de títulos, ante 7,92 meses em agosto. O Tesouro trabalha com um mínimo prudencial equivalente a uma reserva para três meses de vencimentos.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Quantidade de trabalhadores diminui com digitalização, admite Esther Dweck
Um conteúdo Esfera Brasil

Quantidade de trabalhadores diminui com digitalização, admite Esther Dweck

Há 2 dias

Presidente lança oferta de recompra de dívida soberana de El Salvador
Mundo

Presidente lança oferta de recompra de dívida soberana de El Salvador

Há 3 dias

Contas públicas têm déficit de R$ 48,7 bilhões em fevereiro, pior resultado para o período
Economia

Contas públicas têm déficit de R$ 48,7 bilhões em fevereiro, pior resultado para o período

Há uma semana

Dívida pública federal sobe 2,25% em fevereiro, para R$ 6,595 tri, diz Tesouro
Economia

Dívida pública federal sobe 2,25% em fevereiro, para R$ 6,595 tri, diz Tesouro

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais