Brasil

Debate sobre terceirização não pode ser apressado, diz Dias

O ministro do Trabalho pediu para que o texto do projeto de terceirização da mão de obras não seja discutido de forma "açodada" no Senado


	Ato contra o projeto de terceirização
 (Tomaz Silva/Agência Brasil/Fotos Públicas)

Ato contra o projeto de terceirização (Tomaz Silva/Agência Brasil/Fotos Públicas)

DR

Da Redação

Publicado em 24 de abril de 2015 às 16h58.

Brasília - Em meio à queda de braço entre o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), envolvendo o projeto de terceirização da mão de obra no País, o ministro do Trabalho, Manoel Dias, pediu nesta sexta-feira, 24, que o texto não seja discutido de forma "açodada" no Senado. 

Para o ministro, o projeto que foi aprovado na Câmara precisa ser mudado para evitar ações judiciais.

"Da forma como foi aprovado na Câmara, não representa segurança nem para o trabalhador, nem para as empresas", disse o ministro à reportagem, após almoço no Itamaraty em homenagem à presidente da Coreia do Sul Park Geun-hye.

Nesta quinta-feira, 23, o presidente do Senado sinalizou que poderia engavetar o projeto. Renan não concorda com o texto abrangente aprovado pelos deputados. "Se eles podem segurar (projetos), a Câmara pode segurar também o que veio do Senado", ameaçou Cunha.

Dias afirmou que Renan Calheiros terá a chance de aprofundar o debate. "O Senado tem a oportunidade de fazer com clareza para não corrermos o risco de judicializar", enfatizou.

O ministro ressaltou que a terceirização precisa ser regulamentada no País, mas a preocupação do governo é com a precarização do trabalho. "O debate não pode ser açodado e não pode haver precarização do trabalho", defendeu.

Acompanhe tudo sobre:Câmara dos Deputadosgestao-de-negociosPolítica no BrasilSenadoTerceirização

Mais de Brasil

Governo sanciona lei que prevê plano de combate à violência contra mulher

PL do aborto: Conselho Federal da OAB aprova parecer que avalia texto como inconstitucional

Em SP, operação da Polícia Civil despeja projeto social na Cracolândia

PF recupera gravuras raras roubadas há 16 anos da Biblioteca Mário de Andrade, em SP

Mais na Exame