Acompanhe:

De férias, Onyx antecipa retorno ao Brasil em meio à crise na Casa Civil

Bolsonaro demitiu o secretários-executivos da Casa Civil, que assumiu a pasta durante as férias do ministro

Modo escuro

Continua após a publicidade
Casa Civil: o afastamento de Onyx começou no último dia 18 e terminaria no próximo domingo (Marcos Corrêa/Agência Brasil)

Casa Civil: o afastamento de Onyx começou no último dia 18 e terminaria no próximo domingo (Marcos Corrêa/Agência Brasil)

A
Agência O Globo

Publicado em 30 de janeiro de 2020 às, 14h34.

Brasília - Em meio à crise deflagrada pela decisão do presidente Jair Bolsonaro de demitir os secretários-executivos e retirar o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da Casa Civil, o ministro-chefe da pasta, Onyx Lorenzoni, resolveu antecipar seu retorno dos Estados Unidos, onde está de férias, ao Brasil. A previsão é que ele esteja em Brasília na manhã desta sexta-feira. O afastamento de Onyx começou no último dia 18 e terminaria no próximo domingo.

A Casa Civil vive um vácuo de comando nos últimos dias. Na terça-feira, Bolsonaro anunciou que iria demitir o então secretário-executivo, Vicente Santini, após ele utilizar um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), primeiro para ir à Suíça e depois à Índia.

Santini comandava interinamente o ministério durante as férias do ministro. Na quarta-feira, pela manhã, foi publicada a exoneração de Santini e a promoção de Fernando Wandscheer de Moura Alves, que era secretário-executivo-adjunto, para secretário-executivo.

Como as férias de Onyx continuavam, Moura passou a atuar como ministro interino. Nessa condição, assinou a nomeação de Santini como assessor especial de relacionamento externo, publicada em edição extra do Diário Oficial na noite de quarta.

Na manhã desta quinta-feira, Bolsonaro anunciou que tornará sem efeito a nova nomeação de Santini e que exonerará Moura, além de esvaziar o ministério com a retirada do PPI, que será transferido para o Ministério da Economia.

Após a decisão anunciada de maneira intempestiva por Bolsonaro, a Subchefia de Assuntos Jurídicos (SAJ) do Palácio do Planalto, chefiada pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, terá trabalho pra cumprir a missão de transferir o PPI da Casa Civil para o Ministério da Economia.

Quem acompanhou a mudança da Secretaria de Governo para a Casa Civil, em junho do ano passado, comenta que a migração não é tecnicamente difícil, mas trabalhosa, e que fica mais complexa por se tratar da estrutura de um órgão que sairá do Palácio do Planalto. Isso porque será preciso alterar os cargos, servidores e estrutura física, por exemplo, o que exigirá olhar atento a cada detalhe.

Ao deixar o Palácio da Alvorada mais cedo, Bolsonaro não quis responder perguntas de jornalistas sobre as exonerações. Ele apenas fez referência à viagem que fará nesta tarde a Belo Horizonte, para ver os efeitos das chuvas dos últimos dias, e disse que outras informações estão em suas "mídias sociais":

"Estou indo agora para Belo Horizonte, o mais aqui está nas minhas mídias sociais, tá ok?".

Em nota, a assessoria de imprensa da Casa Civil informou que a pasta "não tem não tem nenhuma informação a acrescentar nesse momento".

Últimas Notícias

Ver mais
Encontrados os 261 móveis do Palácio da Alvorada que Lula disse terem sido levados por Bolsonaro
Brasil

Encontrados os 261 móveis do Palácio da Alvorada que Lula disse terem sido levados por Bolsonaro

Há 4 semanas

Petrobras anuncia na CeraWeek que vai perfurar 2 poços em Tayrona, na Colômbia
Brasil

Petrobras anuncia na CeraWeek que vai perfurar 2 poços em Tayrona, na Colômbia

Há 4 semanas

Alckmin manda bilhete a Rui Costa e pede 'mais entusiasmo' na apresentação de ações do governo
Brasil

Alckmin manda bilhete a Rui Costa e pede 'mais entusiasmo' na apresentação de ações do governo

Há um mês

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais