Acompanhe:

CPI da Covid: Senadores vão ao STF contra PGR por arquivamento de investigações contra Bolsonaro

Na ação, parlamentares chama vice-procuradora-geral de 'testa de ferro' de Aras e o acusa de blindar governo federal

Modo escuro

Continua após a publicidade
CPI: No pedido endereçado ao presidente do STF, Luiz Fux, os senadores que fizeram parte do colegiado chamam Lindôra de “testa de ferro” de Augusto Aras (Adriano Machado/Reuters)

CPI: No pedido endereçado ao presidente do STF, Luiz Fux, os senadores que fizeram parte do colegiado chamam Lindôra de “testa de ferro” de Augusto Aras (Adriano Machado/Reuters)

A
Agência O Globo

Publicado em 26 de julho de 2022 às, 13h58.

Última atualização em 26 de julho de 2022 às, 14h01.

A cúpula da CPI da Covid entrou com um pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a Corte investigue a vice-procuradora-geral Lindôra Araújo por suspeita de prevaricação. Por ordem de Lindôra, a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu na segunda-feira ao Tribunal que arquive sete investigações que envolvem o presidente, Jair Bolsonaro (PL), e aliados do governo pela conduta na pandemia. Os casos haviam sido iniciados a partir dos trabalhos da comissão no Senado.

No pedido endereçado ao presidente do STF, Luiz Fux, os senadores que fizeram parte do colegiado chamam Lindôra de “testa de ferro” de Augusto Aras, procurador-geral da República e aliado de Bolsonaro. Os parlamentares argumentam que o PGR tem sido omisso nas investigações contra o presidente e tem atuado, através de sua vice, para atrapalhar os inquéritos propostos pela CPI.

“É a atuação do atual PGR e de seus testas de ferro que são claramente políticas. Desde o início de sua atuação evidencia-se uma blindagem ao Governo Federal. Parece que os atuais mandatários da PGR esperam algum retorno pela sua indevida omissão, como a imprensa já denunciou por ocasião da escolha dos ministros do Eg. STF pelo atual Presidente da República”, diz o documento enviado ao STF.

A ação é assinada pelo presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), pelo relator, Renan Calheiros (MDB-AL), e pelo vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), além de demais membros da oposição que compunham o colegiado, Humberto Costa (PT-PE), Otto Alencar (PSD-BA), Fabiano Contarato (PT-ES) e Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Parte das investigações das quais Lindôra pediu o arquivamento tinha Bolsonaro como alvo e mirava suspeitas de crimes como emprego irregular de verbas para comprar remédios ineficazes no combate ao coronavírus e charlatanismo, por fazer defesa de tratamento sem comprovação científica. Ao pedir os arquivamentos, a PGR afirmou que os pedidos de inquérito da CPI foram feitos por convicções políticas e, por isso, não poderiam ser levados para o campo do processo penal.

O pedido da PGR também beneficia o ex-ministro Walter Braga Netto, candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro, os ministros da Saúde, Marcelo Queiroga, e da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, e o deputado Osmar Terra (MDB-RS).

O crime de prevaricação, pelo qual os senadores pedem para que Lindôra seja investigada, acontece quando um servidor público atrasa ou deixa de praticar indevidamente suas funções por interesse pessoal. A pena é de detenção de três meses a um ano, além de multa.

Manifestação de Aras

Na ação, os senadores também pedem para que Aras se manifeste sobre o caso e de prosseguimento aos pedidos de inquérito feitos pela CPI. Se não o fizer, os parlamentares pedem para que o Conselho Superior do Ministério Público Federal indique um subprocurador-geral da República para abrir um processo administrativo contra o PGR afim de apurar "ilícitos funcionais e administrativos por ele cometidos".

"Diz-se isso porque, ao que consta, o ilustre Procurador-Geral da República e seus asseclas parecem renunciar às suas verdadeiras atribuições constitucionais quanto à adoção de providências cabíveis em face de eventuais crimes comuns descobertos pela CPI da Pandemia e praticados pelo Presidente da República e por seus subordinados, sempre sob sua responsabilidade. Ou seja, não parece desempenhar com zelo as suas funções, havendo, ao que consta, negligência no exercício de seu múnus constitucional, tão somente pela satisfação de interesse pessoal", diz o documento.

LEIA TAMBÉM: 

Por que Ucrânia acusa Lula de fazer propaganda para Rússia na guerra

Últimas Notícias

Ver mais
STF forma maioria para ampliar foro privilegiado para deputados federais e senadores
Brasil

STF forma maioria para ampliar foro privilegiado para deputados federais e senadores

Há 5 horas

STF proíbe abordagem policial com base em raça, sexo, orientação sexual ou aparência física
Brasil

STF proíbe abordagem policial com base em raça, sexo, orientação sexual ou aparência física

Há 15 horas

STF decide que Estado é responsável por mortes causadas por balas perdidas em operações policiais
Brasil

STF decide que Estado é responsável por mortes causadas por balas perdidas em operações policiais

Há 18 horas

STF forma maioria para manter PIS/Cofins sobre locação de bens móveis e imóveis
Brasil

STF forma maioria para manter PIS/Cofins sobre locação de bens móveis e imóveis

Há 18 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais