Brasil

Comissão da Câmara deve votar convite para ouvir Elon Musk

Caso aprovado o requerimento, um convite ao magnata será enviado para ele participar, por videoconferência, de uma audiência pública ainda sem data definida

Elon Musk, dono da Tesla e SpaceX (Nathan Laine/Getty Images)

Elon Musk, dono da Tesla e SpaceX (Nathan Laine/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 21 de maio de 2024 às 08h11.

Última atualização em 21 de maio de 2024 às 08h12.

Será votado pela Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, 21, o requerimento que prevê o convite ao empresário Elon Musk para uma audiência pública virtual. Anexado como pauta da sessão pela presidente da CCJ, Caroline Toni (PL), o requerimento tem como autor o deputado José Medeiros (PL).

Sob justificativa de debater a censura e o banimento de deputados das redes sociais, Medeiros argumenta que os "parlamentares contam com imunidade em suas opiniões, votos e falas, sem qualquer procedimento prévio instaurado nos ditames de um Estado Constitucional Democrático de Direito", e, segundo ele, essa não foi a situação no caso do "Twitter Files".

Desde o começo de abril, o dono do X (antigo Twitter) vem fazendo críticas ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes. Em publicações em seu perfil na rede social ele chegou a chamar o ministro de "ditador" e dizer que o parlamentar tinha o presidente "Lula na coleira".

A acusações começaram a partir "Twitter Files Brasil", um caso em que o jornalista norte-americano Michael Shellenberger divulgou em seu próprio perfil do X uma série de e-mails de funcionários da rede social reclamando de exclusão de conteúdos em investigações envolvendo a disseminação de notícias falsas. Essas exclusões foram feitas a partir da Justiça. Shellenberger acusou Moraes de censura, de exigir informações que violavam a política da plataforma e de tentar subverter a moderação de conteúdo contra apoiadores do ex-presidente, Jair Bolsonaro.

A partir do ocorrido, parlamentares bolsonaristas e eleitores do ex-presidente impulsionaram as publicações de Musk, o que fez a pauta chegar ao Parlamento. Com os ataques, Moraes adicionou o empresário ao inquérito das milícias digitais por obstrução da justiça.

Caso aprovado o requerimento de Medeiros, um convite a Musk será enviado para ele participar, por videoconferência, de uma audiência pública ainda sem data definida.

Acompanhe tudo sobre:elon-musk

Mais de Brasil

Ministério da Saúde amplia vacinação contra dengue; veja nova faixa etária

Reviravolta em julgamento sobre 'sobras eleitorais' pode anular eleição de sete deputados; entenda

Privatização da Sabesp será concluída em 22 de julho; veja os mais cotados para vencer a disputa

Quem é Mello Araújo, anunciado como vice de Nunes em São Paulo

Mais na Exame