Brasil

CNTA diz não concordar com tabela de referência de preço do frete

Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos não concorda com a proposta feita pela CNI e pela CNA

Caminhoneiros: CNI sugeriu a necessidade de governo adotar subsídios ou outros mecanismos para lidar com a questão da renda da categoria (Leonardo Benassatto/Reuters)

Caminhoneiros: CNI sugeriu a necessidade de governo adotar subsídios ou outros mecanismos para lidar com a questão da renda da categoria (Leonardo Benassatto/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 20 de junho de 2018 às 16h38.

Última atualização em 20 de junho de 2018 às 16h54.

Lu Aiko OttaBrasília - Após participar da audiência de conciliação no Supremo Tribunal Federal (STF) que discutiu a constitucionalidade do tabelamento do frete, o presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, afirmou que a categoria não concorda com uma tabela de referência de preço de frete, como propõem a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). "Nós reivindicamos o preço mínimo", afirmou.

Acima desse preço mínimo, afirmou, poderia ocorrer a livre pactuação, que é defendida pelas entidades empresariais.

O dirigente comentou que agora ficou claro para empresários, governo e opinião pública que há uma distorção muito grande na contratação de frete. Ele se refere à relação entre os caminhoneiros autônomos e transportadoras.

Esse problema foi ressaltado também pelo presidente da CNI, Robson Andrade, que sugeriu a necessidade de o governo adotar subsídios ou outros mecanismos para lidar com a questão da renda dos caminhoneiros. "99% da categoria presta serviços por meio de transportadoras", afirmou Diumar.

Ele disse ainda que apoia o marco regulatório do transporte de carga aprovado hoje na Câmara.

Acompanhe tudo sobre:CaminhoneirosCNACNI – Confederação Nacional da IndústriaPreçosSupremo Tribunal Federal (STF)Transportes

Mais de Brasil

Gonet diz que 'não faz sentido' proibir delação premiada de presos, proposta em discussão na Câmara

STF tem maioria para derrubar pontos da reforma da Previdência que atingem servidores públicos

CCJ do Senado aprova liberação de cassinos, bingos e jogo do bicho

Mais na Exame