Brasil

Censo do IBGE 2022: consulte a população atualizada por cidade

Os dados mostraram que cidades como Salvador, Rio de Janeiro, Natal e Belém encolheram em comparação com a coleta de 2010

Sao Paulo city, Sao Paulo state,Brazil:Incidental people strolling and having fun (Getty Images/Getty Images)

Sao Paulo city, Sao Paulo state,Brazil:Incidental people strolling and having fun (Getty Images/Getty Images)

Publicado em 29 de junho de 2023 às 10h26.

Última atualização em 29 de junho de 2023 às 11h41.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou na quarta-feira, 28, os primeiros dados do Censo 2022. Os resultados de População e Domicílios revelaram que o Brasil tem 203.062.512  de habitantes.

Os dados mostraram que cidades como Salvador, Rio de Janeiro, Natal e Belém encolheram em comparação com a coleta de 2010. Além de capitais e grandes cidades, como São Gonçalo, mais de 3 mil municípios encolheram de tamanho desde 2010.

Em Porciúncula, cidade de 17.288 habitantes no Noroeste do Estado do Rio, a população encolheu em 149 nos últimos 12 anos. A gaúcha André da Rocha perdeu 81 habitantes e hoje tem 1.135 moradores. Campos Gerais, em Minas, viu a população cair 1.495 pessoas, para 26.105.

Nova Castilho, em São Paulo, já era pequena e ficou ainda menor: tem agora 1.062 habitantes, 63 a menos do que os contados em 2010.

Segundo especialistas, nas pequenas cidades, o encolhimento populacional muitas vezes é explicado pela migração, com os jovens buscando oportunidades de emprego e estudo em municípios maiores.

Das dez menores cidades do Brasil, oito encolheram. À exceção foi Serra da Saudade, a mais minúscula do país, que viu sua população crescer em 18 pessoas, para 833 no total. A segunda menor do Brasil, a paulista Borá, também aumentou, em 102 habitantes, para 907.

Saiba abaixo se sua cidade cresceu ou encolheu e o tamanho da população atual.

O que é o Censo?

O Censo é uma pesquisa realizada pelo IBGE a cada dez anos para fazer uma ampla coleta de dados em todos os municípios brasileiros. Ele tem como objetivo calcular os habitantes do território nacional, identificar suas características e revelar como vivem os brasileiros.

A coleta acontece por meio de uma pesquisa quantitativa dividida em dois questionários. O questionário básico inclui 26 perguntas sobre a quantidade de pessoas que moram no domicílio, características do morador, renda mensal, identificação étnico-racial e grau de escolaridade. A existência de abastecimento de água, saneamento básico, energia elétrica também são questionadas pelo recenseador.

O outro questionário tem 77 perguntas e mergulha no perfil do morador. As perguntas vão desde a quantidade de computadores com acesso à internet até qual é o tempo de deslocamento da pessoa da casa ao trabalho.

O último Censo, realizado em 2010, contou com 191 mil recenseadores e contabilizou 190,7 milhões de pessoas morando em 5.565 municípios brasileiros. A coleta de dados durou quatro meses e indicou um aumento da concentração da população urbana de 81% em 2000 para 84% dez anos depois.

Por que o Censo é importante? Qual é sua utilidade para definição de políticas públicas?

A coleta do Censo produz informações para a definição de políticas públicas e tomada de decisão de investimento en qualquer nível de governo ou da iniciativa privada.

Os dados são utilizados para definir os repasses da União para estados e municípios, uma vez que o valor considera os números populacionais.

As informações detalhadas fornecidas pelo Censo sobre o perfil da população em determinadas áreas ajudam prefeitos, governadores e o presidente da República a definir prioridades em relação à saúde, educação, assistência social, transportes e cultura, entre outros.

Acompanhe tudo sobre:Censo 2020IBGEcidades-brasileirasCenso 2022

Mais de Brasil

Bolsonaristas criticam Moraes por derrubar norma sobre aborto; governistas apoiam decisão

Enchentes agora atingem SC; mais de 800 estão fora de casa devido a inundações

Nível do Guaíba cai 17 cm em Porto Alegre e segue baixando

Adaptação das cidades à crise climática exige mudança de paradigma, dizem especialistas

Mais na Exame