Acompanhe:

Caminhoneiros convocam greve por WhatsApp para o dia 1º de fevereiro

Presidente de associação que representa a categoria diz que paralisação deverá ser maior do que a de 2018; grupos se organizam pelas redes sociais

Modo escuro

Continua após a publicidade
Greve de 2018: caminhoneiros ameaçam parar no dia 1º de fevereiro (Leonardo Benassatto/Reuters)

Greve de 2018: caminhoneiros ameaçam parar no dia 1º de fevereiro (Leonardo Benassatto/Reuters)

C
Carla Aranha

Publicado em 14 de janeiro de 2021 às, 12h13.

Última atualização em 14 de janeiro de 2021 às, 20h51.

Grupos de caminhoneiros vêm trocando mensagens em grupos de WhatsApp para a convocação de uma greve no dia 1º de fevereiro. Em assembleia realizada na quarta-feira, dia 13, à noite, entidades representativas do setor, como o Conselho Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) e a Associação Nacional do Transporte Autônomos do Brasil (ANTB), confirmaram a resolução a respeito da paralisação. "Vamos parar nacionalmente e a paralisação dessa vez vai ser maior do que a de 2018", diz José Roberto Stringasci, presidente da ANTB.

Uma das principais reinvidicações da categoria é o cumprimento do preço mínimo do frete, medida estabelecida entre os caminhoneiros e o governo durante a greve de 2018. Empresas de alguns setores da economia, como o agroegócio, entraram com recurso, mas a ação ainda não foi julgada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 

Os caminhoneiros também alegam que o aumento do preço do diesel, que passou por 17 altas em 2020, vêm impactando a margem de lucro, e pedem uma revisão da política nacional do preço de combustíveis.

No Brasil, os preços são regidos pelo PPI (Preço e Paridade de Importação), criado em 2016, em uma composição que leva em conta as cotações internacionais do petróleo, em dólar, e os custos dos importadores. As associações dos caminhoneiros pedem uma mudança nessa política, determinada pela Petrobras, para que o diesel fique mais em conta.

Outra reinvidicação diz respeito ao programa BR do Mar, novo marco legal de incentivo à navegação por cabotagem. Segundo o governo, a medida tem por objetivo aumentar a oferta da cabotagem e abrir mais espaço para a concorrência. 

O projeto de lei que institui o marco regulatório foi aprovado em dezembro pela Câmara dos Deputados e aguarda votação no Senado. Os caminhoeiros temem que a nova medida possa reduzir a procura por frete rodoviário. 

A  CNTRC disse que há uma reunião agendada com representantes do Ministério da Infraestrutura no próximo dia 26 para discutir esses e outros pontos. Procurado por EXAME, o ministério afirmou que não há nada marcado e que sequer recebeu um comunicado das associações do setor a respeito da pauta de reinvidicações.

O clima é de descrédito em relação à real possibilidade de uma greve, já que o setor estaria dividido e sem boa capacidade de organização. Em 2019 e no ano passado, a categoria tentou organizar greves nacioniais, sem sucesso.

Últimas Notícias

Ver mais
Governo propõe negociar reajuste com cada categoria de servidores
Brasil

Governo propõe negociar reajuste com cada categoria de servidores

Há um dia

Governo francês apresenta plano para acalmar agricultores
Mundo

Governo francês apresenta plano para acalmar agricultores

Há uma semana

Lula chega no RJ para impulsionar alianças em preparação para as eleições municipais
Brasil

Lula chega no RJ para impulsionar alianças em preparação para as eleições municipais

Há uma semana

Pacheco derruba reoneração dos municípios e prorroga MP 1.202 por mais 60 dias
Economia

Pacheco derruba reoneração dos municípios e prorroga MP 1.202 por mais 60 dias

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais