Brasil

Câmara de SP aprova revisão do Plano Diretor; saiba o que muda na cidade

A sessão extraordinária teve início por volta do meio-dia e se estende por quase oito horas. Foram 44 votos favoráveis e 11 contrários

Vista aerea da cidade de São Paulo, rio Tietê, predios, São Paulo, cidade (Diogo Moreira/MáquinaCW/Governo do estado de São Paulo/Reprodução)

Vista aerea da cidade de São Paulo, rio Tietê, predios, São Paulo, cidade (Diogo Moreira/MáquinaCW/Governo do estado de São Paulo/Reprodução)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 27 de junho de 2023 às 06h31.

O plenário da Câmara Municipal de São Paulo aprovou na noite desta segunda-feira, 26, o projeto de revisão do Plano Diretor de forma definitiva. A sessão extraordinária teve início por volta do meio-dia e se estende por quase oito horas. Foram 44 votos favoráveis e 11 contrários.

Movimentos de moradia se dividiram sobre a aprovação. O texto seguirá para sanção do prefeito Ricardo Nunes (MDB). Entre a primeira votação, no fim de maio, e a votação final, nesta segunda, o texto passou por mudanças em meio a críticas de urbanistas e associações de bairro, além de negociações entre vereadores e também o Executivo.

Antes da votação, pela manhã, Nunes havia afirmado que o plano tem de ser visto "de forma ampla" e a lei deve diminuir o déficit habitacional na cidade. "É preciso fazer análise ampla do Plano Diretor. Alguns comentários estão focando só em uma questão. A gente não pode desconsiderar o déficit habitacional. Nós temos mais de 400 mil unidades habitacionais. É preciso incentivar a habitação na cidade", afirmou o prefeito. Novas emendas ainda serão votadas.

O que muda em SP com a aprovação do novo Plano Diretor?

O projeto propõe mudanças na mais importante lei urbanística municipal, com uma série de regras e incentivos construtivos hoje evidentes na cidade, como os que resultaram na concentração da verticalização perto de metrô, trem e corredor de ônibus, por exemplo. O texto votado é um substitutivo, apresentado pelo relator, Rodrigo Goulart (PSD), na noite de quarta-feira, 21, com uma série de mudanças em relação ao que foi aprovado em primeira votação, algumas até então não foram debatidas nas audiências públicas.

O texto tem sido criticado por uma parte dos urbanistas e da população em geral, os quais argumentam que o substitutivo descaracteriza o atual Plano Diretor, vigente desde 2014, ao expandir os eixos para áreas nas partes mais internas dos bairros e por outras alterações variadas, como destinar parte do fundo municipal prioritário para habitação e mobilidade ao recapeamento e asfaltamento de vias. O setor das incorporadoras e imobiliário têm se posicionado favoravelmente à verticalização proposta pelo plano e diz que a ampliação das áreas para prédios sem limite de altura é necessária para atrair a população para áreas mais estruturadas da cidade.

A última audiência pública foi realizada horas antes da sessão extraordinária, pela manhã. O evento contou com a presença de movimentos por moradia, associações de bairro e cidadãos em geral, que fizeram majoritariamente críticas ao texto posto em votação e que pediram o adiamento da votação. Um homem precisou ser retirado após se exaltar e atacar verbalmente movimentos por moradia.

Diversas emendas foram apresentadas, de autoria de governistas e da oposição, como pela retirada do trecho que dá isenção de ISS a estádios de futebol e pela mudança da regra que veta a autorização de uma vaga de garagem "grátis" para microapartamentos, com menos de 30 metros quadrados.

A Bancada do PSOL declarou nesta segunda que irá judicializar o projeto. "A forma como esse substitutivo se encontra é um retrocesso", declarou Silvia Ferraro, da Bancada Feminista (PSOL) a jornalistas. "Vai adensar para quem? Para o mercado imobiliário construir apartamentos de alto padrão", completou.

Também aos jornalistas, o presidente da Comissão de Política Urbana, Rubinho Nunes (União Brasil), disse que a expectativa é que o projeto seja sancionado pelo prefeito "na sua integralidade".

Na primeira votação e novamente na segunda, a vereadora Luana Alves (PSOL) exibiu um cartaz contra Nunes. As mobilizações contrárias ao texto também ocorreram no lado externo da Câmara e dentro do plenário, por parte de movimentos de moradias e associações de bairro.

A versão revisada permanecerá ao menos até 2029, quando novas mudanças deverão ser discutidas na Câmara.

Veja abaixo como cada vereador votou no PL da revisão do Plano Diretor

Vereadores que votaram contra:

  • Celso Giannazi (PSOL)
  • Cris Monteiro (Novo)
  • Elaine do Quilombo (PSOL)
  • Eliseu Gabriel (PSB)
  • Hélio Rodrigues (PT)
  • João Ananias (PT)
  • Luana Alves (PSOL)
  • Jussara Basso (PSOL)
  • Luna Zarattini (PT)
  • Silvia da Bancada Feminista (PSOL)
  • Toninho Vespoli (PSOL)
  • Vereadores que votaram a favor:
  • Adilson Amadeu (União Brasil)
  • Alessandro Guedes (PT)
  • André Santos (Republicanos)
  • Arselino Tatto (PT)
  • Atílio Francisco (Republicanos)
  • Aurélio Nomura (PSDB)
  • Beto Social (PSDB)
  • Camilo Cristófaro (Avante)
  • Coronel Salles (União Brasil)
  • Danilo do Posto de Saúde (Podemos)
  • Dr. Sidney Cruz (Solidariedade)
  • Dr. Nunes Peixeiro (MDB)
  • Dra. Sandra Tadeu (União Brasil)
  • Edir Sales (PSD)
  • Eli Corrêa (União Brasil)
  • Ely Teruel (Podemos)
  • Fabio Riva (PSDB)
  • Fernando Holiday (Republicanos)
  • George Hato (MDB)
  • Gilson Barreto (PSDB)
  • Isac Félix (PL)
  • Jair Tatto (PT)
  • Janaína Lima (MDB)
  • João Jorge (PSDB)
  • Jorge Wilson Filho (Republicanos)
  • Major Palumbo (PP)
  • Manoel Del Rio (PT)
  • Marcelo Messias (MDB)
  • Marlon Luz (MDB)
  • Milton Ferreira (Podemos)
  • Milton Leite (União Brasil)
  • Paulo Frange (PTB)
  • Ricardo Teixeira (União Brasil)
  • Rinaldi Digilio (União Brasil)
  • Roberto Tripoli (PV)
  • Rodolfo Despachante (PSC)
  • Rodrigo Goulart (PSD)
  • Rubinho Nunes (União Brasil)
  • Rute Costa (PSDB)
  • Sandra Santana (PSDB)
  • Sansão Pereira (Republicanos)
  • Senival Moura (PT)
  • Thammy Miranda (PL)
  • Xexéu Trípoli (PSDB)
Acompanhe tudo sobre:sao-paulomobilidade-urbanaImóveiscidades-brasileiras

Mais de Brasil

Chuva deve voltar ao Rio Grande do Sul nesta segunda-feira

Apenas 11% das escolas têm internet na velocidade certa, diz pesquisa

Julgamento que pode cassar Jorge Seif ficará para Cármen Lúcia após saída de Moraes do TSE

Rio Grande do Sul: Defesa Civil contabiliza 200 toneladas de alimentos doados

Mais na Exame