Brasil

Brasil reduz emissões de gases estufa em 8%, mas taxa é uma das mais altas da última década

A taxa de emissões registrada no ano passado é a terceira maior desde 2005, perdendo apenas para 2021 e 2019

A redução de emissões de gases do efeito estufa é a principal medida para frear o aquecimento global (Chris Conway/Getty Images)

A redução de emissões de gases do efeito estufa é a principal medida para frear o aquecimento global (Chris Conway/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 23 de novembro de 2023 às 11h14.

Última atualização em 23 de novembro de 2023 às 11h15.

O Brasil emitiu 2,3 bilhões de toneladas brutas de gases de efeito estufa em 2022. O número representa uma queda de 8% em relação ao ano anterior, quando foram emitidas 2,5 bilhões de toneladas, mas ainda é um nível de poluição em patamares elevados. A taxa de emissões registrada no ano passado é a terceira maior desde 2005, perdendo apenas para 2021 e 2019.

O Observatório do Clima, a maior coalizão de ONGs do País ligadas à sustentabilidade, apresentou dados do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (Seeg) nesta quinta-feira, 23. Essa é a 11ª edição do estudo, divulgada às vésperas da Cúpula do Clima (COP-28), que acontece em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos a partir do dia 30. A redução de emissões de gases do efeito estufa é a principal medida para frear o aquecimento global.

Entre 2019 e 2022, durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), o Brasil emitiu 9,4 bilhões de toneladas brutas de gases de efeito estufa, retornando a patamares de emissões da década de 1990 e do início dos anos 2000.

O desmatamento, principal responsável pelas emissões de gases do efeito estufa no Brasil, apresentou ligeira queda em suas emissões. No ano passado, a destruição de florestas emitiu 1,12 bilhão de toneladas brutas de gás carbônico equivalente, o correspondente a 48% das emissões brasileiras. Em 2021, o desmatamento emitiu 1,32 bilhão de toneladas de gases do efeito estufa, representando 50% do total.

“Mesmo com a alta no Cerrado, a diminuição na Amazônia (cuja taxa de desmatamento medida pelo sistema Prodes, do Inpe, caiu 11%, de 13.038 km2 para 11.594 km2 ) puxou o setor para baixo”, explica a pesquisa.

A análise mostra que enquanto as emissões geradas pelo desmatamento caíram, a quantidade de gases do efeito estufa despejada pela agropecuária cresceu. Em 2022, o setor emitiu 617 2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa, aumento de 3 2% em relação a 2021, quando foram emitidas 598,3 milhões de toneladas. A agropecuária é a segunda maior fonte de emissões do Brasil, ficando atrás apenas do desmatamento, e representa 27% do total.

“A principal causa do aumento nas emissões foi, assim como em 2021, o crescimento do rebanho bovino”, afirma o Observatório.

Dados do IBGE mostram que o número de cabeças de gado aumentou quase dez milhões de um ano para o outro. Em 2022, foram contabilizadas 234,4 milhões de cabeças, contra 224,6 milhões no ano anterior, um aumento de 4,3%. O gado emite metano durante seu processo de digestão, contribuindo para o aquecimento global.

Meta pode ser mais ambiciosa

De acordo com dados da análise, caso o Brasil cumpra a meta anunciada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva de zerar o desmate até 2030, o País atingirá com folga o compromisso fixado no Acordo de Paris, celebrado em 2015.

Em setembro, o governo federal anunciou a retomada da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) assumida originalmente pelo Brasil, de reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 48% até 2025 e em 53% até 2030. A meta havia sido modificada pelo por Bolsonaro, que reduziu a proposta. Na versão do governo anterior, o Brasil deveria cortar as emissões em 37% até 2025 e 50% até 2030.

O Observatório do Clima indica que, caso queira, o governo atual tem margem para se comprometer com uma meta mais ousada de redução de gases do efeito estufa. Isso porque, a redução do desmatamento a zero, como tem prometido Lula, garantiria que o Brasil pudesse reduzir quase duas vezes mais suas emissões do que o prometido no âmbito do Acordo de Paris.

Mato Grosso é campeão em emissões

Mato Grosso foi o campeão em emissões de gases do efeito estufa no ano passado. Segundo os dados, o Estado foi responsável por 17,3% das emissões do País. Os índices de emissões brutas per capita mostram o tamanho do desafio no Estado. A média de emissões per capita foi de 106 toneladas de CO² e emitidas por habitante em 2022, uma taxa mais de 17 vezes maior do que a média mundial.

O Pará é o segundo Estado com maior índice de emissões, concentrando 15,6% do total; Minas Gerais aparece em terceiro, com 7,3%. No caso de Mato Grosso e do Pará, a principal causa foi o desmatamento. Já em Minas Gerais, as emissões foram lideradas pela agropecuária.

Acompanhe tudo sobre:Efeito estufaEmissões de CO2Brasil

Mais de Brasil

Lula anunciará Paulo Pimenta como ministro para reconstrução do Rio Grande do Sul

TSE nega recurso que pedia cassação de Zema, mas aplica multa

Enchentes no RS: deputados aprovam 'calamidade' até 2026 e derrubam regras de gastos

Enchentes no RS: aeroporto Salgado Filho não deve reabrir até setembro

Mais na Exame