Acompanhe:

Brasil organizará Copa mais segura da história, diz Rebelo

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, garantiu que a Copa do Mundo que será realizada no país será a mais segura da história

Modo escuro

Continua após a publicidade

	O presidente da Fifa, Joseph Blatter, conversa com o ministro do Esporte, Aldo Rebelo: "a Copa é muito forte e se auto-protege"
 (REUTERS/Sergio Moraes)

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, conversa com o ministro do Esporte, Aldo Rebelo: "a Copa é muito forte e se auto-protege" (REUTERS/Sergio Moraes)

D
Da Redação

Publicado em 13 de março de 2014 às, 14h47.

Brasília - O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, garantiu nesta quinta-feira que a Copa do Mundo que será realizada no país será a "mais segura" da história e minimizou a possibilidade de que se repitam os protestos que marcaram a Copa das Confederações em 2013.

"A grande manifestação será a realização da Copa, porque no futebol o que importa é o próprio futebol", declarou o ministro em entrevista coletiva com correspondentes estrangeiros em Brasília.

Segundo Rebelo, os maciços protestos de junho "não foram contra a Copa das Confederações, mas por melhores serviços públicos e próprios de uma sociedade democrática".

Admitiu, no entanto, que há pequenos "grupos interessados em perturbar a Copa" e disse que se as manifestações pacíficas serão legítimas, mas se recorrerem à violência serão contidas pela polícia, dentro dos limites legais.

"Se houver manifestações, serão mínimas", insistiu o ministro, que reconheceu que, em segurança, existem diversas áreas que preocupam as autoridades.

Entre elas, citou o estímulo que pode significar para grupos terroristas a realização de um evento desse porte, mas lembrou que o Brasil não tem um histórico de terrorismo. Apesar disso, admitiu que "preocupa o crime do dia a dia, situação na qual, infelizmente, o Brasil tem uma estatística preocupante".

Também se referiu à possibilidade de torcedores violentos de outros países desafiarem a segurança do Mundial, mas minimizou o risco ao lembrar que as autoridades "trabalham" em coordenação com outros governos para impedir essa situação.

Rebelo disse haver "uma campanha contra o Mundial de setores desesperados e parte da imprensa", mas insistiu que será "a Copa do Mundo mais segura" da história, que será realizada em um país "pacífico, sem antecedentes de terrorismo, sem enclaves, e sem um "apartheid" étnico".

Para o ministro, "a Copa é muito forte e se auto-protege, pois o futebol é uma plataforma de inclusão, universal e do povo".


Em relação à demora nas obras de alguns estádios, como em São Paulo, Curitiba e Cuiabá, disse que as "dificuldades são visíveis", mas apontou que também "os avanços são satisfatórios" e reiterou sua convicção de que estarão prontos nas próximas semanas.

Segundo ele também não haverá problemas com a capacidade hoteleira e citou projeções oficiais, que mostram uma expectativa de ocupação que varia entre 50% em Cuiabá a 90% no Rio de Janeiro.

Aeroportos e companhias aéreas do país responderão ao aumento da demanda esperada entre junho e julho, quando devem chegar ao país 600 mil turistas estrangeiros atraídos pelo Mundial.

Como exemplo, indicou que no carnaval, só no Rio de Janeiro, em Salvador e em Recife houve um movimento de seis milhões de turistas, muito superior ao esperado para o evento da Fifa.

"A capacidade aeroportuária supera a demanda atual, embora haja alguns problemas de operação que devem ser resolvidos, mas não só por causa da Copa, mas pelo país", declarou.

Para atender as delegações oficiais e as seleções, o governo pode colocar à disposição uma ampla rede de terminais militares para desafogar as operações nos aeroportos civis.

O ministro reconheceu que toda a organização da Copa "poderia ter sido melhor", mas apontou com ironia que o Brasil "não tem a infraestrutura de Alemanha, França e Inglaterra, mas também não foi um império colonial".

Sobre o possível resultado estritamente esportivo do torneio, disse que "a hipótese de o Brasil não ganhar a Copa não está contemplada".

"O Brasil tem uma excelente seleção, formada por um grupo jovem e ambicioso, que quer ganhar em seu país, que terá o apoio de sua torcida e conta com um treinador de grande experiência, Luiz Felipe Scolari", disse o ministro, mostrando seu lado torcedor.

Também descartou que aconteça outro Maracanazo, quando a seleção foi derrotada pelo Uruguai em 1950, em pleno Maracanã, por 1-2 e ficou com o título.

"Não olhemos para trás. O Maracanazo foi uma tragédia futebolística, mas um raio não cai duas vezes no mesmo lugar", afirmou.

Últimas Notícias

Ver mais
Como registrar uma marca no INPI? Passo a passo para produto ou serviço
Guia do Cidadão

Como registrar uma marca no INPI? Passo a passo para produto ou serviço

Há 3 horas

Dino vai herdar 344 processos no STF; veja os principais
Brasil

Dino vai herdar 344 processos no STF; veja os principais

Há 4 horas

Dino pode ficar 20 anos no STF e se aposentar em 2044
Brasil

Dino pode ficar 20 anos no STF e se aposentar em 2044

Há 4 horas

Flávio Dino toma posse no STF nesta quinta-feira; saiba como será a cerimônia
Brasil

Flávio Dino toma posse no STF nesta quinta-feira; saiba como será a cerimônia

Há 4 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais