Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Brasil é o país que menos fez quarentena na América Latina

Na comparação com os principais países da região, como Argentina, México, Colômbia e Chile, o Brasil teve os maiores índices de circulação de pessoas para trabalho, varejo e lazer

Modo escuro

Movimentação na avenida Paulista: a volta à rotina presencial foi mais rápida no Brasil, segundo números de deslocamento (Roberto Parizotti/Fotos Públicas)

Movimentação na avenida Paulista: a volta à rotina presencial foi mais rápida no Brasil, segundo números de deslocamento (Roberto Parizotti/Fotos Públicas)

C
Carolina Riveira

Publicado em 14 de fevereiro de 2021 às, 08h01.

Que os índices de isolamento social têm diminuído nos últimos meses, é sabido. Com o prolongamento da pandemia, mais pessoas encerraram a quarentena e retomaram o trabalho presencial, assim como outras atividades.

O movimento aconteceu em todo o mundo. Mas números de deslocamento do Google ao longo do ano passado mostram que esse processo de retorno à rotina foi mais rápido no Brasil. Mesmo nos piores momentos da pandemia, o Brasil foi o país em que a população mais teve cidadãos se deslocando na comparação com os principais vizinhos da América Latina.

Com exceção de março, primeiro mês de isolamento e quando os índices de mobilidade do Brasil estiveram no nível mais baixo até agora, o Brasil liderou o "ranking da mobilidade" entre os principais países latino-americanos.

Os números são do Google Mobility Trends, compilados pelo banco Morgan Stanley. O Google tem divulgado taxas de mobilidade com base em informações de localização anônimas dos celulares. A empresa usa como parâmetro a visita (e tempo de permanência) em locais de trabalho, lazer ou compras, tendo fevereiro de 2020 -- o último mês pré-pandemia -- como régua de comparação.

Em todos os países analisados, o percentual de pessoas indo ao trabalho ou a atividades de lazer e varejo (como a lojas e outros centros de compras) foi subindo gradativamente desde março, porém com mais força no Brasil (veja nos gráficos abaixo).

Desde abril o Brasil tem mais de 80% do movimento pré-pandemia no trabalho. Como mostrou reportagem da EXAME, a ida ao trabalho presencial aumenta a circulação de pessoas nos espaços da cidade, como o transporte público, propiciando maiores chances de contágio.

Os números do Google corroboram análise da Pnad-Covid, do IBGE, que mostrou que o Brasil tinha em setembro menos de 10% dos trabalhadores em regime de trabalho remoto, segundo os últimos dados disponíveis.

Em determinado momento, em novembro, o Brasil teve até mesmo maior movimentação de pessoas no trabalho presencial do que em fevereiro, no pré-pandemia. Já em dezembro, os números mostram uma queda brusca nas idas ao trabalho, diante dos recessos de fim de ano.

Foi também em novembro que o Brasil atingiu seu pico de mobilidade para lazer/varejo, mais de 80% da movimentação que foi registrada em fevereiro de 2020.

No fim de janeiro, o Brasil seguia tendo a maior movimentação percentual entre os países analisados: 71% para lazer/varejo (ante 62% do México, segundo colocado) e 93% para trabalho (à frente da Argentina, com 82%).

O Brasil teve menores índices de isolamento mesmo do que países com maior taxa de informalidade e com menor rede de proteção social, como o México, em que 60% da população trabalha no mercado informal, ante 40% no Brasil antes da pandemia -- índice parecido ao da Argentina e pouco maior que o do Chile.

Novas quarentenas e a economia em 2021

Os níveis menores de isolamento do Brasil e quarentenas menos restritivas não fizeram necessariamente com que escapassem da crise negócios mais dependes da mobilidade, sobretudo no setor de serviços -- como bares, restaurantes, salões de beleza, turismo e outras frentes.

No ano passado, o setor de serviços encerrou em queda de 7,8%, um recorde negativo e muito mais do que indústria (queda de 4,5%) e varejo (alta de 1,2%, beneficiado pelo auxílio emergencial e compras online).

O movimento é especialmente ruim para a economia porque o setor de serviços respondia antes da pandemia por mais de dois terços dos empregos no Brasil.

O Morgan Stanley afirma que uma preocupação é o avanço do número de casos e mortes por coronavírus em toda a América Latina, o que pode levar à imposição de novas quarentenas mais restritas neste começo de ano.

No entanto, o relatório afirma que as restrições de mobilidade nos últimos meses parecem não ter impactado as economias nos mesmos níveis do começo da pandemia, a julgar por índices como o PMI (índice gerente de compras, que serve como um parâmetro da atividade esperada nos meses seguintes para indústria e serviços). O PMI latino-americano enfrenta quedas, mas menores do que em 2020.

Isso se deve, em parte, à adaptação de muitas empresas para continuar os negócios mesmo em meio ao isolamento. Ainda assim, negócios amplamente dependes da atividade presencial devem seguir sofrendo até que se contenha o vírus.

Os analistas do Morgan Stanley apontam que a América Latina como um todo dependerá da velocidade da vacinação para sua recuperação econômica, e que números econômicos melhores devem ser vistos a partir de abril. No ano passado, o produto interno bruto (PIB) da região deve ter caído 6,7%, segundo projeção do banco, e a expectativa é que cresça 4,9% em 2021, ainda sem recuperar totalmente as perdas.

"Embora esperemos quedas sucessivas na atividade na maioria das economias da América Latina no primeiro trimestre, nós visualizamos uma retomada no segundo e terceiro trimestres de 2021, dependendo do resultado das campanhas de vacinação", diz o relatório. Apesar disso, é possível "que a América Latina fique atrás de outras regiões" na vacinação, especialmente de países mais desenvolvidos.

Por outro lado, a avaliação no relatório é de que os países da região se beneficiam ao ter uma população relativamente mais jovem do que lugares como EUA e Europa, o que tende a sobrecarregar menos o sistema de saúde e levar à imposição de quarentenas menos rígidas por parte dos governos locais.

Apesar disso, o colapso em estados como Amazonas e Pará no Brasil mostra que o coronavírus fora de controle pode levar a hospitais lotados e cenas de tragédia. A segunda onda do coronavírus, em especial com as novas variantes mais contagiosas -- já detectadas na América Latina -- tem levado países em todo o mundo a novos picos de casos e mortes que devem seguir prejudicando a economia.

Enquanto não se chega a uma vacinação em massa, seguem sendo necessárias medidas de distanciamento a quem puder fazê-lo e conscientização da população para uso correto de máscaras e busca por ambientes ao ar livre. A retomada econômica só acontecerá com combate efetivo ao vírus -- e nisso, economistas e médicos estão em total concordância.

Últimas Notícias

ver mais
Eleição para o Conselho Tutelar: quando saem os resultados e quais os próximos passos
Brasil

Eleição para o Conselho Tutelar: quando saem os resultados e quais os próximos passos

Há 11 horas
STF forma maioria para condenar mais cinco por invasões em 8 de janeiro
Brasil

STF forma maioria para condenar mais cinco por invasões em 8 de janeiro

Há 11 horas
Entenda por que o governo não pretende adotar o horário de verão em 2023
Brasil

Entenda por que o governo não pretende adotar o horário de verão em 2023

Há 13 horas
Eleição para conselhos tutelares será aprimorada, afirma Silvio Almeida
Brasil

Eleição para conselhos tutelares será aprimorada, afirma Silvio Almeida

Há 13 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais