Brasil

Bebê nasce durante férias no Brasil e casal americano não consegue deixar o país, entenda

Cheri e Chris são de Minesota, mas tiveram Greyson de forma prematura em Florianópolis e, até então, estão presos por aqui

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 16 de maio de 2024 às 14h51.

Última atualização em 16 de maio de 2024 às 18h15.

Um casal americano tenta desesperadamente trazer seu filho recém-nascido de volta para Minnesota, nos Estados Unidos. O bebê nasceu no Brasil três meses atrás.

Cheri e Chris Phillips estavam com aproximadamente seis meses de gravidez quando fizeram uma viagem de duas semanas a Florianópolis, em fevereiro deste ano. A criança deveria nascer apenas no início de junho, por isso o casal foi encorajado pelos médicos a realizar a viagem. 

Autoridades italianas alertam para 'sobrecarga' de pedidos de cidadania por brasileiros; entenda

À CBS News, Cheri afirma que já estava sentindo muitas dores e que, no meio da noite, começou a sangrar. Ela foi internada logo em seguida. Após alguns dias de procedimentos, teve que passar por uma cesariana de emergência.

Greyson nasceu no dia 12 de março, teve que lutar para sobreviver e foi encaminhado imediatamente à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal. Tudo isso aconteceu sem que Cheri ou Chris soubessem falar português. Após 51 dias na UTI, Greyson recebeu alta para ir para "casa".

No entanto, a família se viu presa em um "pesadelo burocrático". Hospedados em um apartamento do Airbnb perto de Florianópolis, o casal continuava trabalhando remotamente e esperava levar o bebê para Minesota após a alta hospitalar. Acontece que, para sair do Brasil, os dois precisariam de um passaporte para Greyson, o que exigiria uma certidão de nascimento, que, por sua vez, depende do sistema judicial brasileiro.

"O principal obstáculo tem sido o cartório local, que se recusa a emitir a certidão de nascimento de Greyson simplesmente porque os passaportes americanos não têm os nomes dos pais", disseram Cheri e Chris, apelando para a ajuda de amigos e familiares. "Há quatro semanas, contratamos um advogado para ajudar a garantir a documentação brasileira de Greyson, mas, após quase um mês, não houve progresso e eles não têm como saber quando o juiz vai analisar o caso ou quanto tempo levará quando o fizer", disseram à rede americana.

Mais complicações pela frente

O próximo grande obstáculo da família é obter a documentação para Greyson também nos Estados Unidos. Isso exigiria sua certidão de nascimento e uma visita a um consulado ou à Embaixada dos Estados Unidos, em Brasília. E tudo precisa ser feito de forma presencial. Não bastasse a burocracia, o casal se encontra em uma área afetada por intensas enchentes no Brasil e Greyson, ainda muito pequeno, não cabe em uma cadeirinha de carro.

A família busca ajuda da senadora norte-americana Tina Smith. Segundo o casal, Smith estaria em contato com a embaixada e trabalhando para eliminar a necessidade de viajar para obter um passaporte. Ainda assim, a Cheri e Chris dependem de uma certidão de nascimento do governo brasileiro.

"Quando chegarmos em casa, quando finalmente entrarmos em nossa casa em Cambridge, será um momento para celebrar", disse Chris Phillips.

Acompanhe tudo sobre:FlorianópolisEstados Unidos (EUA)

Mais de Brasil

O que é um tributo e por que devemos pagá-lo? 

Mendonça é eleito para TSE e elogia gestão de Moraes em meio a 'turbulências'

Em meio às enchentes no RS, Marinha alerta para ressacas com ondas de até 3 metros no litoral gaúcho

Anvisa endurece regras para prescrição de zolpidem por relatos de uso abusivo e efeitos adversos

Mais na Exame